Consultor Jurídico

pisca-pisca apagado

Mulher que teve energia de casa interrompida no Natal será indenizada

A empresa que interrompe a prestação de serviços essenciais sem justificativa está sujeita a punição, e se há demora no restabelecimento do serviço, deve indenizar o consumidor por danos morais.

Concessionária de energia não justificou a interrupção dos serviços no Natal

Dessa forma, a 2ª Vara Cível de Campina Grande (PB) condenou uma distribuidora de energia a pagar R$ 2 mil a uma cliente por ter deixado sua casa sem energia durante o período natalino.

A consumidora alegou que a energia de sua residência foi interrompida na véspera do Natal de 2015 e só voltou dois dias depois. Segundo ela, seus vizinhos fizeram várias ligações para a empresa e o fato chegou a ser noticiado em um jornal local. A concessionária de energia não contestou as acusações e foi julgada à revelia.

O juiz Ely Jorge Trindade ressaltou que foi constatada a interrupção do serviço, mas não houve prova de que ela teria ocorrido por evento extraordinário e inevitável: "Resta configurada a falha na prestação do serviço fornecido pela concessionária".

O magistrado também destacou a demora na restauração da energia na casa: "Tratando-se de serviço essencial, a privação de energia por um tempo prolongado, ainda mais na véspera de Natal, autoriza o arbitramento de indenização por danos morais, uma vez que nestes casos o dano moral é presumido". Com informações da assessoria de imprensa do TJ-PB.

Clique aqui para ler a decisão
0803632-43.2019.8.15.0001




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 1 de novembro de 2020, 17h43

Comentários de leitores

1 comentário

Energia elétrica

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

Essencial para a vida em sociedade.

Comentários encerrados em 09/11/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.