Consultor Jurídico

Notícias

Ação irresponsável

PGE abre processo contra empresário que foi com coronavírus para a Bahia

Trancoso, em Porto Seguro, no litoral sul da BA
Reprodução/Facebook

Após a determinação do governador da Bahia, Rui Costa (PT), a Procuradoria-Geral do Estado abriu o processo contra um empresário que foi para Porto Seguro, no sul da Bahia, mesmo depois de ter testado positivo ao novo coronavírus, após exames em São Paulo. As informações são do G1 da Bahia.

Segundo a procuradoria, o pedido foi protocolado no Ministério Público da Bahia, que tem a titularidade da ação, para que outras situações semelhantes não voltem a acontecer e, com isso, sejam evitadas a transmissão da doença e sua propagação em um ritmo mais acelerado.

A recomendação do governador foi divulgada durante uma transmissão ao vivo pela internet, na manhã desta terça-feira (17/3). De acordo com o petista, o paciente fez o teste no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, e, mesmo após o resultado, foi para a Bahia.

"Foi uma ação irresponsável, negligente, de um empresário que teve seu caso confirmado em São Paulo. Ele foi no hospital, confirmou que tinha o coronavírus e o médico determinou que ele ficasse em casa por pelo menos uma semana. E ele pegou o jatinho particular, convidou alguns amigos e foi para casa em Trancoso, em Porto Seguro", disse.

Prisão
Outro homem que não teve identidade revelada foi capturado pela polícia após deixar imóvel onde seguia em isolamento por coronavírus. O caso ocorreu na madrugada desta terça-feira (17/3) também em Trancoso, distrito de Porto Seguro, conforme informou a Polícia Militar. As informações também são do G1 da Bahia.

De acordo com a policiais militares do 8º Batalhão, eles foram acionados com a denúncia de que um homem com coronavírus e que estava isolado em uma residência de Trancoso tinha deixado o confinamento sem autorização da Vigilância Sanitária. A cidade baiana possui três casos confirmados da doença.

O homem saiu do isolamento dirigindo um carro sem destino definido. A PM disse que a guarnição interceptou o veículo, na BA-001, próximo a Arraial D'Ajuda, a cerca de 28 km de Trancoso.

O homem foi detido e conduzido ao local onde se encontrava isolado, informou a PM. Durante a diligência, os policiais militares tomaram todas as medidas necessárias e recomendadas para evitar um eventual contágio, inclusive, utilizando se de luvas, máscaras de proteção, sem contato físico, nem aproximação do suspeito de contaminação.

Revista Consultor Jurídico, 17 de março de 2020, 20h42

Comentários de leitores

2 comentários

Continuação

Dickson Ramon Santos de Araújo (Funcionário público)

Nessa hora, não tem fraternidade, salvo alguns casos, que, certamente, já aconteciam antes da pandemia (voluntários ajudando, igrejas fazendo caridade, pessoas ajudando na Síria e na África, pessoas ajudando idosos etc.) e que vão se intensificar agora (mas não será uma unanimidade). Quando a tormenta passar, certamente voltaremos a ser exatamente como a natureza nos projetou, ou seja, voltaremos à competição pela sobrevivência (só trocamos o nome por “meu esforço”, “minha vitória”, “meu sacrifício”, tudo isso dito contra outros seres humanos que perderam). Eu acho que as pessoas até pensam que não vão morrer (ou pensam, então vivem todos os excessos possíveis, mesmo que isso prejudique outras pessoas, os animais, os mares - “Por que ser ‘certinho’ se não sei quando morrerei?”). Mas eu creio na divindade de Jesus, então vejo essa situação apenas como mais um sinal do fim. E acredito que outros momentos virão.

Responder

Evolução da vida (continua)

Dickson Ramon Santos de Araújo (Funcionário público)

Esse momento gera algumas reflexões. Temos a visão criacionista e a teoria da evolução por seleção natural (a mais “verdadeira”) para explicar como a vida evoluiu (a primeira também explica a origem). Ao longo de milhões de anos, certamente hominídeos morriam por causa de muitas doenças. Havia competição, mortes entre eles, luta pela sobrevivência, acasalamento (não era “fazer amor”). E aqui estamos (depois do ancestral comum, dos outros hominídeos, com os macacos). O interessante é que, apesar de a evolução não ter acabado, momentos como esses que afetam a vida das pessoas em todo o mundo parecem contradizer as regras da natureza que, a princípio, nos trouxeram aqui. Se o caos total se instalasse, todo mundo saberia que precisaria lutar (não no sentido de superação, mas de briga, de correria, de morte) bastante para tentar sobreviver (a ficção pode nos dar uma ideia). Se você não é teísta (não é meu caso), só pode se encaixar na teoria da evolução das espécies por seleção natural. Mas, suponho, muita gente não teísta (que também não quer ser comparada com aqueles “macacos” de milhões de anos atrás, apesar de só existir essa possibilidade) certamente acha que caímos prontos aqui nessa terra a partir de 1530. Para mim, sob essa perspectiva evolucionista, não me parece estranho o comportamento das pessoas, tampouco que algumas delas morram (porque não são adaptadas ao ambiente). As pessoas vão correr para supermercados para comprar comida para garantir suas sobrevivências (a mesma luta do passado). Continua...

Responder

Comentários encerrados em 25/03/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.