Consultor Jurídico

Comentários de leitores

6 comentários

Sempre foi assim

mauroviz (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Ak é uma casa de políticos nem o STF cumpri Lei veja o processo de Monica Sander os erros do Barroso

Fico pensando

Flávio Ramos (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Se realmente o tom dos artigos era assim tão inaudito no país que mais preza a liberdade de expressão. Aqui seriam mais do mesmo.
Não conheço a matéria de fundo, mas pelos excertos trazidos na reportagem os ataques parecem se dever mais à divergência política do que à jurídica.

A democracia e a liberdade de expressão nos eua

Juiz de Direito Luiz Guilherme Marques (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Quando se veiculam notícias como essas, de críticas duras à Suprema Corte dos Estados Unidos, bem como ao presidente americano, a gente fica pensando que naquele país existem realmente a democracia e a liberdade de expressão. Lá nenhum desses que fez as críticas será punido por divergir da forma de pensar e de decidir de membros da cúpula do Judiciário e do Executivo. No Brasil de hoje há pessoas do povo e membros do próprio Judiciário sendo penalizadas por conta de não concordarem com determinadas autoridades. A diferença entre o Brasil e os Estados Unidos é o nível de cidadania do povo, porque lá respeitam-se as opiniões divergentes, enquanto que aqui quem exerce cargos públicos se julga acima das leis e dos princípios constitucionais. Temos de nos mirar no exemplo americano, porque, se assim não fizermos, continuaremos a ser considerados como país de 3º mundo. A democracia e a liberdade de expressão estão longe de ser realidades no Brasil. A LOMAN é uma "camisa de força" imposta ao Judiciário, em prejuízo da evolução dessa instituição importante para a respeitabilidade das nossas instituições. Realmente, precisamos evoluir, entendendo que o direito de discordar e de criticar faz parte do jogo democrático. O Brasil ainda está longe de ser uma democracia, porque o próprio Judiciário, inclusive internamente, é anti-democrático.

A democracia e a liberdade de expressão nos eua

Juiz de Direito Luiz Guilherme Marques (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Quando se veiculam notícias como essas, de críticas duras à Suprema Corte dos Estados Unidos, bem como ao presidente americano, a gente fica pensando que naquele país existem realmente a democracia e a liberdade de expressão. Lá nenhum desses que fez as críticas será punido por divergir da forma de pensar e de decidir de membros da cúpula do Judiciário e do Executivo. No Brasil de hoje há pessoas do povo e membros do próprio Judiciário sendo penalizadas por conta de não concordarem com determinadas autoridades. A diferença entre o Brasil e os Estados Unidos é o nível de cidadania do povo, porque lá respeitam-se as opiniões divergentes, enquanto que aqui quem exerce cargos públicos se julga acima das leis e dos princípios constitucionais. Temos de nos mirar no exemplo americano, porque, se assim não fizermos, continuaremos a ser considerados como país de 3º mundo. A democracia e a liberdade de expressão estão longe de ser realidades no Brasil. A LOMAN é uma "camisa de força" imposta ao Judiciário, em prejuízo da evolução dessa instituição importante para a respeitabilidade das nossas instituições. Realmente, precisamos evoluir, entendendo que o direito de discordar e de criticar faz parte do jogo democrático. O Brasil ainda está longe de ser uma democracia, porque o próprio Judiciário, inclusive internamente, é anti-democrático.

Aparentemente, dá gosto de ver

Rejane G. Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Desconheço os detalhes das decisões mencionadas pelos juízes para criticar a Suprema Corte nos EUA. Pelo pouco que sei da política americana, somente através de uma mídia suspeita, sempre simpatizei com o candidato e Presidente Trump por suas declarações francas, nacionalistas e em defesa do capitalismo produtivo em contraposição ao capitalismo financeiro. Pelo que foi noticiado por J. Ozorio, parece que não é bem assim. Parece que o Presidente Trump diz uma coisa e faz outra e a situação lembra muito o "Donald Trump dos trópicos". Fizeram uma comparação que me deixou preocupada : de que já suspenderam 24 decretos de Trump contra 18 decretos de Bush e Obama juntos. Ora, até onde eu sei, os governos Bush e Obama foram "entreguistas" do Estado americano para a finança internacional. Pelo que foi noticiado, parece que os juízes que criticaram entendem que o Presidente Trump é nacionalista, porém só para os capitalistas, os donos dos meios de produção e a força de trabalho que, efetivamente, foi quem o elegeu, está abandonada à própria sorte. Será isso mesmo ? Enfim, gosto de ver juízes criticando cortes supremas, acho que é sempre benéfico, pois, como já dizia o grande dramaturgo Nélson Rodrigues "toda unanimidade é burra".

E aqui?

Luís Eduardo (Advogado Autônomo)

Fico imaginando, o que esses juízes escreveriam sobre o Presidente do STF se eles fossem juízes aqui?

Comentar

Comentários encerrados em 24/03/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.