Consultor Jurídico

Artigos

Opinião

Caso Drauzio Varella mostra necessidade do juiz das garantias

Comentários de leitores

8 comentários

Engraçadinho demais

Flávio Ramos (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Estava gostando muito do texto até o momento em que o autor foi fazer gracinha com coisa séria, e cometeu uma das falácias mais toscas. Desnecessária e ofensiva a atitude.

Responder

Semantismo uLULAntis

Rivadávia Rosa (Advogado Autônomo)

Seguro, há o dilema: médico x repórter. Pero, ninguém é inocente de entrevistar uma figura que subliminarmente estimula a apologia ao crime de pedofilia e, para isso valeu o abraço.

Responder

Péssimo

Schneider L. (Servidor)

Além de relativizar o caso (que envolve estupro de vulnerável, homicídio e ocultação de cadáver) o articulista caiu na balela que a equipe de jornalismo não sabia de nada.

O presídio era específico para criminosos sexuais, o custodiado estava a 8 anos no fechado, foi entrevistado por alguém com décadas de experiência no trato com apenados. Aliás, na própria reportagem em outro caso foi anunciado que o apenado cumpria pena por roubo. Houve uma omissão proposital no caso da Suzy.

E a analogia é honestamente patética. Até invocou uma comparação com Jesus Cristo e
Nelson Mandela para justificar tamanho malabarismo mental e irracional.

Tamanho é o descaso com as vítimas no país. Frente a um crime tão bárbaro, a única coisa que alguns garantistas de ocasião conseguem pensar é como facilitar para absolvição dos criminosos no país. Nenhuma preocupação com a vítima. Apenas discursos apaixonados sobre uma visão de justiça deturpada.

Responder

Cego

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Cego, agiu cegamente e errou feio, vejo ao contrário, o erro crasso que o modelo de juiz de garantias implementado pode incorrer: transformar um criminoso perigoso, algos de crianças inocentes, uma dela morreu com requintes de crueldade, inclusive, impôs a família a busca frenética e desesperada por 48h, depois se apresentou hipocritamente para ajudar. Ou seja o tal juiz de garantias no caso em tela absolveu um monstro. Respeitosamente, não se trata de esquerda ou direito, mas de seres humanos que ainda se impactam ao saberem das atrocidades cometidas com as vitimas e não só com a pena lata recebida pelo condenado.

Responder

Análise perfeita

GERALDO LOPES PELOTA (Outros)

Atualmente está difícil, até mesmo para os operadores do direito, entender a dinâmica da atuação na esfera penal. Por isso é imprescindível a existência do juiz das garantias. Infelizmente o que se tem é juiz inquisidor, que volta e meia atua em substituição ao órgão acusador, suprindo a sua deficiência probatória, quando ela se faz presente. Muito lúcida a análise. Parabéns.

Responder

ética

amigo de Voltaire (Advogado Autônomo - Civil)

Faz tempo Dr. Dráuzio se arvora em reportagens sem qualquer conteúdo médico, e se é médico para não olhar para o crime cometido, também é médico para observar o seu código de conduta. Devia deixar de ser usado para pseudo reportagens médicas. Essa aí buscava mostrar as condições em que as presas trans vivem nas cadeias. O que há de médico nisso? Aliás, para os fins a que se destinou, pudemos ver que estão bem tratadas, o resto é patifaria.

Responder

Lucro

Professor Edson (Professor)

Tentaram apenas transformar um mostro em vítima para lucrar com a audiência, foi só isso.

Responder

Conta outra

Professor Edson (Professor)

Até parece que eles não sabiam do crime horrendo praticado, até parece que precisariam ir nos autos para saber do crime praticado, todo mundo sabe que estupradores ficam isolados nos presídios, é óbvio que sabiam do crime, só não sabiam da repercussão negativa que teria.

Responder



Comentar

Comentários encerrados em 21/03/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.