Consultor Jurídico

Artigos

Opinião

A aporofobia e o recrudescimento do Direito Penal

Comentários de leitores

4 comentários

O sofista usurpador

Vercingetórix (Advogado Autônomo - Civil)

É sempre curioso quando alguém tenta dizer o que determinada camada da sociedade quer ou sente sobre algo.

No entanto, tal argumentação ideológica não sobrevive a um juízo de realidade. Os fatos vão em sentido contrário.

O atual Presidente da República e o atual Governador do RJ foram eleitos, também, por pobres (e isso é mais do que óbvio).

A nova política de segurança pública praticada em âmbito nacional e estadual (no RJ) tem implicado em redução exponencial de homicídios e crimes violentos, o que, obviamente, beneficia populações pobres - as maiores vítimas deste tipo específico de crimes.

Responder

Os pobres

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Os "rebeldes primitivos", expressão emprestada do historiador marxista Erick Hobsbawm e adaptada ao contexto brasileiro, sufragados por intelectuais que abraçaram o pensamento do italiano "Luigi Ferrajoli, expresso na obra "Direito e Razão", passaram a atuar em "terrae brasilis" em agressão à ordem estabelecida, ofendendo os membros da comunidade.
Aqueles despossuídos de prata, ouro, títulos e educação especial, agredidos pelos rebeldes, passaram a preconizar a aplicação draconiana das normas penais, com sustentação no pensamento do germânico Gunther Jabobs, resumido no livro "Direito Penal do Inimigo". Acrescente-se, ainda, a aplicação das Teorias Econômicas Neoliberais no Brasil, sem qualquer meditação crítica, formando uma massa instável e violenta de perdedores, fato previsto pelo economista norte-americano, Edward Luttwak, no livro denominado "Turbocapitalismo"
O pobre é, também, vítima de outros pobres, que renunciaram ao caminho de Deus e procuraram o outro caminho, aquele que, dificilmente, existe retorno.
Na obra "Quarto de Despejo", de Carolina Maria de Jesus (que muitos advogados nem se deram ao luxo de ler, porque preocupados com honorários sucumbenciais e contratuais), retrata que, nem todos os pobres são "bonzinhos", como se traduz do texto.

Responder

Artigo enfadonho e repetitivo.

João B. G. dos Santos (Advogado Autônomo - Criminal)

Nasci pobre, cresci pobre na periferia e até hoje preciso trabalhar para me manter. O que esse artigo afirma está menos no cotidiano e mais na cabeça dos coitadistas e como consequência de se colocar em situações de risco.

Responder

Meu Deus ? o velho discursinho de que Estado persegue

analucia (Bacharel - Família)

Meu Deus ? o velho discursinho de que Estado persegue pobre. Então por qual motivo a OAB não faz a defesa do pobre, afinal Defensoria não é advogado, ou seja, não estão inscritos na OAB. Logo, então, podemos concluir que Advogado é que não gosta de pobre, pois a defesa do pobre é feita pela Defensoria que não é Advogado (ao menos, por enquanto). Ora, há mais pobres, logo há mais presos pobres, isto é lógico.

Responder



Comentar

Comentários encerrados em 16/03/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.