Consultor Jurídico

Interesse público

TJ-SP nega pedido de surfistas para ter livre acesso a praias durante quarentena

Por 

As normas que impedem o uso das praias durante a quarentena não podem ser interpretadas de maneira absoluta, pois encontram fundamento na proteção à vida e à saúde da população, tuteladas na Constituição Federal. Com esse entendimento, o desembargador James Siano, do Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo, negou pedido de um grupo de surfistas amadores para ter livre acesso às praias do município de Praia Grande.

Dollar Photo ClubTJ-SP nega pedido de surfistas para ter livre acesso a praias durante quarentena

Os surfistas impetraram habeas corpus, com pedido de salvo conduto, conta os decretos do Governo de São Paulo e da Prefeitura de Praia Grande, que regulamentam a quarentena e os serviços essenciais durante a epidemia. Eles alegam que estão impedidos de praticar o esporte por “atos arbitrários das autoridades coatoras”, citando, por exemplo, o artigo 5º do Decreto Municipal, que proíbe o acesso à faixa de areia das praias.

Ao indeferir a liminar, o desembargador James Siano reconheceu a privação que os pacientes passam neste momento em virtude das determinações do estado e do município. Porém, segundo ele, o direito administrativo é regido por diversos princípios, um deles o da supremacia do interesse público sobre o interesse particular.

“Desta máxima se extrai a ideia de superioridade do poder público em relações mantidas com os particulares, em especial no momento atual, em que o interesse do coletivo deve preponderar sobre o individual”, disse. Ele também destacou que a restrição é temporária e, além da privação da prática esportiva, não se verificam presentes os pressupostos legais a motivar a concessão da tutela preventiva.

Segundo o desembargador, o isolamento social é, até o momento, o melhor remédio contra o coronavírus, vindo de encontro ao esforço empreendido pela sociedade em geral. “A adoção de medidas restritivas, com imposição de distanciamento das pessoas e a suspensão de atividades visam a redução do contágio e o número de mortos”, completou.

O simples fato de o pedido ter sido formulado de maneira coletiva, em favor de vários pacientes, segundo Siano, já demonstra a pretensão da participação coletiva no surf. “Por fim, inexiste vedação à liberdade de circulação, mas sim, ordenamento que visa impedir aglomeração de pessoas, seja para que finalidade for”, concluiu o relator do caso.

2077884-76.2020.8.26.0000

Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 28 de maio de 2020, 10h24

Comentários de leitores

2 comentários

O curioso caso da onda abstratamente conisderada.

William Miqueluzzi (Outros)

É incrível, senão irrisório, querer crer que a onda é um fenômeno abstratamente considerado, desconexo de sua natureza. Como se para chegar ao drop na onda, o surfista não tivesse que (i) se descolar até a praia; (ii) da praia até o mar; (iii) uma vez no mar, aguardar (sabe-se lá onde (?!)) até a onda, para então dropar. Em todos esses cenários amigo, sim, a única via de transmissão do vírus é a onda.

O medo impera

Bruno Puntel de Carvalho (Outros)

Qual foi o embasamento cientifico que indica possivel contaminação ou transmissão do covid19 nas ondas do mar.

Comentários encerrados em 05/06/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.