Consultor Jurídico

Sem Covid, sem crime

Lewandowski rejeita queixa-crime contra Bolsonaro por espalhar doença

Por 

O presidente Jair Bolsonaro não foi contaminado pelo coronavírus, conforme confirmado após a divulgação dos exames autorizada pelo ministro Ricardo Lewandowski, em reclamação enviada ao Supremo Tribunal Federal. Com isso, não há como subsistir queixa-crime baseada em propagação de doença contagiosa.

Bolsonaro participa de manifestação durante a pandemia do coronavírus Reprodução

Com esse entendimento, o ministro negou o pedido feito pelo advogado José Gabriel Avila Campelo, embasado em “conduta que sugere, de forma robusta, o cometimento de crimes de disseminação de doença contagiosa”. 

A princípio, o processo sequer teria andamento porque o advogado não pagou as custas processuais, conforme o parágrafo 2º do artigo 806 do Código de Processo Penal. Assim, nenhum ato ou diligência poderia ser realizado até o recolhimento do valor. Seria o caso de intimar o autor e aguardar.

Ocorre que a exibição dos exames do presidente Jair Bolsonaro acaba por resolver a questão, na visão do ministro Ricardo Lewandowski. “Neste momento, reputo inviável a presente queixa-crime, pois restou esvaziada a imputação feita pelo querelante”, concluiu o ministro.

Além da questão relacionada ao uso do Direito Penal na pandemia, a queixa-crime ainda continha pedido liminar para submeter Jair Bolsonaro a avaliação psiquiátrica por perito nomeado pelo STF. Ao fazê-lo, o advogado se define favorável à internação compulsória.

Clique aqui para ler a decisão
Pet 8.838




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 15 de maio de 2020, 15h31

Comentários de leitores

2 comentários

Lewandowski rejeita queixa-crime ...

Arlete Pacheco (Advogado Autônomo - Trabalhista)

No meu entender foi uma decisão correta! Estamos, lamentavelmente, vivendo um período de turbulência política, alimentada em grande parte por uma imprensa tendenciosa e irresponsável, que estimula atitudes inócuas em si, mas que podem causar prejuízos diversos, devido ao mau exemplo! Entendo que, se o nobre causídico está tão preocupado com o espalhamento de doenças, deveria apresentar representação junto ao Ministério Público, que é o Fiscal da Lei e Titular da Ação Penal, para que seja investigado o comportamento e, consequentemente, apurada a responsabilidade do prefeito de São Paulo, senhor Bruno Covas, ao determinar um rodízio par/impar de veículos, que causou aglomerações monumentais nos terminais de ônibus, metrô e trens, bem como dentro dos respectivos vagões, "caldo de cultura" ideal à propagação do vírus, pondo em risco as pessoas economicamente menos favorecidas, que necessitam trabalhar para o sustento pessoal e de seus dependentes!

Perfeito

Sergio Lins (Bacharel - Administrativa)

Perfeito, Dra. Arlete.

Comentários encerrados em 23/05/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.