Consultor Jurídico

Ausência de peculato

Pagamento de salário a 'servidor fantasma' não é crime de responsabilidade

Um ex-prefeito da cidade paulista de Itobi escapou de condenação por crime de responsabilidade em um julgamento realizado pela 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que manteve a decisão monocrática tomada pelo ministro Nefi Cordeiro. Os integrantes da turma entenderam que o pagamento de salário a servidor público que tomou posse do cargo de maneira irregular, ou não exerce as suas atividades, não é um crime.

Ex-prefeito da cidade paulista de Itobi escapou de condenação penal
Reprodução

Condenado em primeira instância a seis anos de reclusão em regime semiaberto por falsidade ideológica e crime de responsabilidade, o ex-prefeito teve a sentença parcialmente reformada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, que descartou a falsidade ideológica, mas manteve a condenação por crime de responsabilidade.

Durante seu mandato, o ex-prefeito nomeou uma irmã para o cargo de diretora de Saúde do município, mas ela não tinha qualificação para a função, que na prática era exercida pela diretora de Vigilância Epidemiológica. Por esse motivo, o TJ-SP entendeu que houve desvio de dinheiro público para proveito alheio, caracterizando o crime de responsabilidade. O STJ, porém, reformou a decisão do tribunal de segunda instância.

O ministro Nefi Cordeiro, relator do recurso, lembrou que a apropriação de bens ou rendas públicas é um crime de responsabilidade, conforme o artigo 1º, inciso I, do Decreto-Lei 201/1967, mas ele argumentou que o ato de pagar salários a uma "funcionária fantasma" não se enquadra nessa classificação.

"Pagar ao servidor público não constitui desvio ou apropriação da renda pública, tratando-se, pois, de obrigação legal, ainda que seja questionável a contratação de parentes do prefeito", disse o ministro.

Cordeiro citou precedentes em que a 6ª Turma decidiu que o servidor que recebe salários sem prestar serviço não comete peculato, o que levou à conclusão de que o pagamento feito pelo prefeito não se enquadra na categoria de crime de responsabilidade. Para o ministro, a nomeação de uma irmã para um cargo na prefeitura pode gerar punição civil ou administrativa, mas não penal. Com informações da assessoria de imprensa do STJ.

AREsp 1162086




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 14 de maio de 2020, 12h25

Comentários de leitores

1 comentário

Dúvidas

Professor Edson (Professor)

É a máfia contra a justiça cega, paga a irmã "fantasma" que divide parte do pagamento com o próprio prefeito. Se tiver isso na peça acusatória o ministro muda o entendimento???

Comentários encerrados em 22/05/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.