Consultor Jurídico

Igualdade de gênero

Pesquisa do CNJ avalia participação feminina em concursos para magistratura

Dados da participação feminina nas comissões organizadoras e nas bancas examinadoras nos concursos para magistratura brasileira começam a ser encaminhados ao Conselho Nacional de Justiça. A pesquisa é iniciativa do grupo de trabalho que avalia mecanismos de participação das mulheres no processo de ingresso na magistratura.

Os tribunais devem informar, na primeira quinzena de maio, a composição da comissão organizadora e da banca examinadora do primeiro concurso realizado após a promulgação da Constituição Federal, em 1988. Também foi solicitada a composição das comissões e bancas de concursos para magistratura realizados entre 2010 e 2020.

A comissão organizadora é responsável pela organização e o acompanhamento de todo o procedimento do concurso, em todas as suas fases. Já a banca examinadora atua na aplicação e avaliação da prova oral a que são submetidos os candidatos a vagas de juiz.

Além de identificar a participação de mulheres nas comissões e nas bancas dos concursos, o colegiado também quer verificar se os editais de seleção dos últimos dez anos contemplam conteúdos de direitos humanos e equidade de gênero.

O GT foi instituído por meio da Portaria 44/2020, de iniciativa do presidente do Conselho Nacional de Justiça e do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli. A conselheira Ivana Farina é a coordenadora dos trabalhos. Com informações da assessoria de imprensa do Conselho Nacional de Justiça.

Clique aqui para ver o formulário enviado aos tribunais

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 10 de maio de 2020, 14h30

Comentários de leitores

1 comentário

Em vez de repensar os concursos e produtividade

analucia (Bacharel - Família)

O cnj segue a agenda esquerdista de fomentar guerra de sexos. O povo nao quer isso

Comentários encerrados em 18/05/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.