Consultor Jurídico

Opinião

Uma discussão sobre o pagamento de tributos com cheque pré-datado

Por  e 

Inicialmente, em se tratando da possibilidade de realizar o pagamento de créditos tributários por meio de cheque, é necessário frisar que o Código Tributário Nacional prevê expressamente tal possibilidade no artigo 162, inciso I. Assim, em regra, o pagamento de tributos pode se dar tanto em moeda corrente quanto em cheque ou vale postal.

Analisando-se a legislação tributária pátria, todavia, não é possível encontrar qualquer menção à possibilidade de o pagamento de tributos ser realizado com cheque pré-datado. Neste momento, muitos dos leitores vão chegar à mesma conclusão que nós sobre o motivo dessa "lacuna jurídica" e que, em verdade, é mais uma obviedade: a figura do cheque pré-datado é uma verdadeira ficção jurídica, já que o cheque é um título de crédito que materializa uma ordem de pagamento à vista, conforme prevê o artigo 32 da Lei nº 7.357/1985.

Dessa forma, determinar que um cheque é pré-datado e fazer constar uma data futura não obsta o recebimento do valor do cheque na data de sua apresentação, uma vez que a instituição financeira é obrigada a pagá-lo na data em que for apresentado (artigo 32, parágrafo único, da Lei nº 7.357/1985). Essa prática, porém, pode gerar consequências jurídicas decorrentes da quebra da boa-fé objetiva do contrato e, por conseguinte, gerar a caracterização de dano moral (Súmula 370 do STJ).

Nesse sentido, por mais que o cheque pré-datado seja uma criação verdadeiramente costumeira, fato é que tal prática encontra algum respaldo jurídico na jurisprudência pátria, tanto o é que a própria Súmula 370 do STJ prevê que caracteriza dano moral a apresentação antecipada de cheque pré-datado. Assim, se inexiste norma vedando a utilização de cheque pré-datado para o pagamento de tributos, se a jurisprudência reconhece a existência de efeitos jurídicos decorrentes da referida prática e, sobretudo, adotando-se uma visão de uma Administração Pública consensual, é realmente apartado da juridicidade administrativa permitir o pagamento de tributos com cheque pré-datado?

Na nossa opinião, não há um certo ou errado absoluto como resposta para tal pergunta. A resposta vai depender muito mais da situação concreta analisada, sobretudo da legislação tributária do ente federativo, do que efetivamente de uma afirmativa genérica como "é possível ou não é possível".

Há de se mencionar, contudo, que 10ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, no julgamento de Apelação nº 994.08.101265-7 [1], em demanda que versava sobre improbidade administrativa, entendeu que "a quitação de tributos com cheque pré-datado configura irregularidade administrativa e infringe a lei".

O acórdão não explica, entretanto, as razões jurídicas que embasam tal assertiva, mas indica somente que o cheque pré-datado dos autos era de propriedade de terceiro e analisa a referida conduta com diversas outras que inegavelmente atentam contra o erário público, como, por exemplo, a autorização do pagamento de recibos e notas fiscais antes de formado o processo de despesa e o atesto de recebimento de materiais e serviços que nunca deram entrada no almoxarifado.

Dessa forma, tentando-se abstrair as circunstâncias dos autos, as quais ultrapassam a discussão jurídica ora proposta, se, no caso concreto, o cheque pré-datado fosse de propriedade do contribuinte ou responsável tributário (artigo 121, caput, e parágrafo único, incisos I e II, do CTN) e, principalmente, o valor do crédito tributário correspondesse fielmente àquele apontado no cheque, levando-se em conta eventuais juros, penalidades e correção monetária devidos até a data prevista no cheque, estaríamos diante de alguma irregularidade administrativa?

Diante do cenário em que a Administração Pública, buscando aumentar a arrecadação tributária, vale-se cada vez mais de instrumentos consensuais, tal como a própria ideia de transação tributária (Lei nº 13.988/2020), possibilitar que o contribuinte pague tributos com cheque pré-datado não parece destoar tanto assim da atual tendência, desde que, é claro, sejam estabelecidas medidas que garantam a idoneidade do pagamento, tais como: a previsão em lei, a existência de regulamentação do processo administrativo a ser seguido, a necessidade de atesto do setor de arrecadação tributária de que o valor do cheque corresponde ao valor da dívida na data proposta pelo contribuinte (sob pena de se estar legitimando renúncia de receita) e, ainda, que se aguarde o resgate do valor pelo sacado, isto é, é necessário que a instituição financeira/banco efetue a ordem de pagamento dada pelo emitente/sacador antes de o Fisco extinguir o crédito tributário. 

Do ponto de vista prático, todavia, a admissão de cheques pré-datados como forma de pagamento de tributos pode trazer consideráveis dificuldades procedimentais para a Administração Pública, já que, em última análise, o ente federativo acabará atraindo para si um forte ônus. Cita-se, neste sentido, o fato de o cheque apresentado poder, em verdade, ser um "cheque sem fundos" e, ainda, ser bastante elevado o risco de que o título de crédito seja extraviado durante a tramitação do processo administrativo.

No caso de inexistirem fundos, o cheque apresentado fará com que a Administração Pública se veja obrigada a fazer uso dos meios necessários à execução da quantia devida (por meio de execução fiscal), de modo que todo tempo perdido entre a apresentação da ordem de pagamento e a verificação da inexistência de fundos terá sido em vão, atuação esta que acabaria indo em sentido contrário ao princípio da eficiência, consagrado no artigo 37 da CRFB/88.

Tratando-se, por sua vez, da necessidade de se reter o cheque na estrutura física do órgão público, tal prática pode gerar futuros transtornos ao ente, que mesmo tendo o dever de guardar e zelar pelo título de crédito, vai se ver obrigado a alocar em seus arquivos — comumente já assoberbados de processos — documento fundamental ao ingresso de valores ao erário, propiciando eventual desaparecimento ou até mesmo perecimento dos títulos, o que ocasionaria significativo prejuízo aos cofres públicos.

Poder-se-ia pensar, então, na necessidade de apresentação de garantia por parte do contribuinte ou do responsável tributário, em paralelo à apresentação do cheque pré-datado. Ocorre que tal exigência, porém, depende de lei autorizativa, não podendo vir a ser simplesmente exigida administrativamente pelo Poder Público. Ainda, certo é que tal possibilidade traria outros problemas de ordem prática para o ente público, inclusive no que diz respeito à escolha dos bens que poderiam ser admitidos como espécie de garantia, bem como no que tange à aferição do real valor econômico do bem apresentado — o que acabaria por tornar ainda mais burocrático o processo administrativo de pagamento.

Dentro da lógica até aqui apresentada, diante dos problemas de ordem prática que o pagamento de tributos por meio de cheque pré-datado pode causar à Administração Pública, é necessário que os entes federativos procurem medidas alternativas que sejam mais seguras e menos complexas para inovar e facilitar o pagamento de créditos tributários.

A título exemplificativo, traz-se à baila a medida recentemente adotada pelo município do Rio de Janeiro para pagamento do IPTU referente ao exercício financeiro de 2020, denominada pelo ente de "pagamento financiado" [2]. Tal medida autoriza o contribuinte a realizar o pagamento do imposto por meio de cartão de débito e crédito, podendo dividir seu pagamento em até 12 parcelas. Frise-se que o regime de parcelamento propiciado pelo pagamento facilitado alcança não só os impostos que podem ser pagos por meio de cotas, mas também os impostos que devem ser pagos à vista.

Portanto, é possível concluir que o pagamento de tributos por meio de cheque pré-datado não deve ser visto necessariamente como algo inviável do ponto de vista jurídico, de modo que é perfeitamente possível pensar na sua aplicabilidade, desde que seguidos alguns padrões que sirvam para garantir a lisura do pagamento. Contudo, do ponto de vista prático, sabendo-se que a citada modalidade de pagamento gera um desproporcional ônus à Administração Pública, notadamente no que diz respeito à própria insegurança quanto à tramitação do processo administrativo e ao efetivo recebimento dos valores devidos, entendemos que o Fisco deverá priorizar, tal como fez o município do Rio de Janeiro, outras medidas facilitadoras do pagamento ao sujeito passivo da obrigação tributária, mas que, ao mesmo tempo, correspondam a uma operação segura e efetiva para o ente público. 

Defendemos, assim, com o presente artigo, a necessidade de se questionar cada vez mais as estruturas jurídicas já existentes, por mais ou menos complexas que sejam, visto que somente a inovação das tradicionais estruturas jurídicas permitirá a criação de mecanismos que facilitem o pagamento tributário e estimulem o aumento na arrecadação pública — prática essa que se amolda a uma Administração Pública atenta às exigências cada vez mais complexas da sociedade moderna e que se coaduna com gestões mais eficientes e consensuais.

Por fim, ressaltamos que, qualquer que seja a forma de pagamento do crédito tributário, seja em cheque pré-datado ou cartão de crédito, por exemplo, a eventual expedição de certidão negativa de débitos apenas poderá ocorrer após a data programada para o referido pagamento, com a respectiva comprovação do pagamento do valor devido, não havendo que se falar, portanto, na possibilidade de expedição de certidão negativa no momento de apresentação da ordem de pagamento.

Topo da página

 é advogada pública da Procuradoria do Município de Duque de Caxias, pós-graduada em Direito Empresarial pela Ibmec-RJ e mestranda em Direito Público pela Universidade de São Paulo (USP).

Brunno Philippe Werneck Soares é residente jurídico da Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro (PGE-RJ), pós-graduado em Direito Processual pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e mestrando em Direito Processual pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Revista Consultor Jurídico, 8 de maio de 2020, 6h34

Comentários de leitores

1 comentário

Necessidade pública

O IDEÓLOGO (Cartorário)

As necessidades do Estado para atender interesses e direitos subjetivos de seus cidadãos é imediata. Mas, o cheque pré-datado é uma ordem de pagamento "a vista", que somente será lançado na conta do devedor no momento da exigibilidade jurídica e econômica do tributo.
Não existe ilicitude, diante da prática social em sua aceitação. É o costume que, em verdade, modifica (e não, revoga) dispositivo legal.

Comentários encerrados em 16/05/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.