Consultor Jurídico

Crítica religiosa

Papa Francisco critica uso do Direito como instrumento de perseguição política

Por 

O uso do processo penal como instrumento para subjugar inimigos políticos, e não fazer Justiça, foi tema de um pronunciamento contundente do papa Francisco. A fala foi divulgada pela Rede Mundial de Oração do Papa.

Papa Francisco criticou uso do Direito para perseguição política em vídeo
L'Osservatore Romano

Além de condenar o lawfare, o papa Francisco também disse que a disseminação de calúnias e notícias falsas para inflamar os povos tem características de um verdadeiro linchamento. Após a divulgação do vídeo, a presidente do PT, Gleisi Hoffman (PT-PR) afirmou que o ex-presidente Lula é conhecido atualmente no mundo como uma vítima dessas práticas do Poder Judiciário.

No momento em que o mundo se depara com as injustiças cometidas contra o presidente Lula, o papa Francisco nos lembra como devem atuar os juízes: com imparcialidade e jamais negociando a verdade”, postou Gleisi.

Francisco não citou nominalmente o ex-presidente Lula ou os tarefeiros da 13ª Vara Federal de Curitiba, mas o conteúdo de sua fala tem sido interpretado por ativistas políticos como uma crítica ao modelo de atuação personificado pela "lava jato".

O papa afirmou que, atualmente, quando se quer dar um golpe de Estado ou se excluir algum político de uma determinada eleição, o caminho seguido é bombardeá-lo com calúnias e notícias falsas e depois encaminhar um processo para um juiz “daqueles que gostam de criar Justiça”.

O papa também pregou que "os juízes devem seguir o exemplo de Jesus, que nunca negocia a verdade".

Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 4 de maio de 2020, 15h16

Comentários de leitores

2 comentários

Papa Francisco critica ...

Arlete Pacheco (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Entendo que ao Papa deveria se manifestar apenas em assuntos relativos às suas obrigações de cunho religioso. Em Estados laicos é intromissão indevida dar opiniões sobre assuntos internos de Estado, assim como também são indevidas opiniões de Estado sobre assuntos internos da área religiosa. Críticas da Igreja ao Poder Judiciário de qualquer país são tão esdrúxulas quanto críticas do Poder Judiciário de qualquer país ao Vaticano.

Falta de imparcialidade do site

AC-RJ (Advogado Autônomo)

Novamente o site impõe a sua índole esquerdista nas matérias. Por que somente deu voz a um defensor do ex-presidente Lula? Por que não cedeu espaço para manifestação de um defensor do atual Presidente Bolsonaro? Se os dois sofrem do mesmo problema, por razões de justiça e igualdade, defensores de cada um deles deveriam ser ouvidos e não de um só, justamente o que possui a simpatia do site.

Comentários encerrados em 12/05/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.