Consultor Jurídico

Ajuste de contas

Gilmar Mendes: "Lava jato é pai e mãe do bolsonarismo".

Quem elegeu Jair Bolsonaro foi a “força tarefa” da “lava jato”, que tinha no seu comando o juiz Sérgio Moro e como assessores, os jornalistas que cobriam as condenações em série que celebrizaram seus protagonistas. Não exatamente com essas palavras, mas com essa concatenação, o ministro Gilmar Mendes, do STF, revisitou, neste sábado (2/5), a produção do atual momento político brasileiro, em entrevista à Rádio Gaúcha (https://soundcloud.com/radiogaucha/gilmar-mendes-ministro-do-supremo-tribunal-federal-01052020).

“Isso foi fruto de uma ampla construção”, analisou o ministro. Especialmente do eco que a imprensa deu “aos eflúvios, às emanações de Curitiba, da ‘lava jato’”. O itinerário foi simples e eficiente: “Se o Supremo decidia alguma coisa que afetava a ‘lava jato’, o STF é que estava errado — nesse contexto que se desenvolveu o repúdio contra o STF, do qual a mídia foi parceira”.

Para Gilmar, a ‘lava jato’ é o pai e a mãe do bolsonarismo. Desse bolsonarismo vitorioso”. Instado a analisar a colisão de Moro com Bolsonaro, o ministro tentou cautela, mas ressalvou que não se pode ignorar os fatos: ao vazar graves acusações, baseadas em pretensa delação de Antônio Palocci, às vésperas da eleição, é inquestionável que o então juiz atuava como cabo eleitoral do governo que ele passaria a integrar. “A mim me bastam os fatos”, disse o ministro do STF.

Bem humorado, Gilmar lembrou o dia em que Paulo Guedes, já ministro da Economia, contou-lhe que antes mesmo da posse pedira aquiescência de Bolsonaro para convidar Moro para o governo. E recordou o quanto Guedes ficou curioso ao ouvir que ele “deveria escrever isso na sua biografia”. O motivo seria uma inestimável contribuição com o Brasil — que seria tirar Moro de Curitiba.

Os jornalistas pediram avaliação de Gilmar sobre o episódio em torno do livro de Rodrigo Janot, em que o ex-procurador disse que se embriagava durante o dia, na PGR, e que certa vez foi armado ao Supremo, pensando em atirar no ministro e matar-se depois. "Isso mostra a tristeza desse período", comentou o ministro, rememorando que a própria imprensa apurou que, no dia indicado por Janot, ele sequer estava em Brasília. "Se esses falsos heróis fossem obrigados a pedir desculpas pelo mal que fizeram ao país, precisariam de mais duas ou três vidas para se redimir", afirmou Gilmar depois da entrevista.

Questionado sobre a Comissão de Inquérito do Congresso criada para investigar a fabricação de notícias fraudulentas, Gilmar Mendes comparou os agrupamentos que as geram como “um tipo de religião sem deus”. Lembrou da ação nociva dessas milícias na votação do Brexit, no Reino Unido, e na eleição de Donald Trump, nos Estados Unidos.

No Brasil, comentou o ministro, “esses agrupamentos falam em aniquilar pessoas, matar, ‘cancelar o CPF’, como pistoleiros virtuais”. Para ele, “é preciso saber quem patrocina isso”. E voltou a defender o inquérito aberto no Supremo, sob a relatoria do ministro Alexandre de Moraes — que deu passos importantes nesse sentido”.

“Uma coisa positiva, nesse cenário de tantos desacertos e infelicidades é que o país está voltando a valorizar o jornalismo profissional, está voltando ao normal para se reencontrar consigo mesmo”, concluiu.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 2 de maio de 2020, 19h52

Comentários de leitores

7 comentários

E se o presidente fosse o Aécio?

Vercingetórix (Advogado Autônomo - Civil)

O incrível caso do juiz que se esquece que é juiz.

"Lava jato é pai e mãe do bolsonarismo".

Marco Aurélio Gonzaga Santos, Professor UFMA e advogado (Professor Universitário - Empresarial)

A lava jato claramente tem seus pecados especialmente no direito penal draconiano que o ex-Ministro Moro e sua turma aplicaram, mas teve a enormíssima vantagem de demonstrar que criminosos de alto grau econômico também podem ir para a cadeia.
Mas aqui para nós o STF tem que ser repensado mesmo, especialmente a indicação. Hoje temos ministros que lá chegaram com formação digamos não condizente com a necessária para o cargo. O outro grande problema do STF é o descompasso que ele tem com as questões centrais do país. Por exemplo, fora pontos fora da curva o STF referenda muito com suas decisões complacentes com os abusos dos sistemas financeiro e tributário nacional em detrimento da cidadania. Decide a favor dos cidadãos em questões menos centrais. Em questões econômicas serve para referendar o que a turba econômica do país faz. Assim, o STF merece todas as críticas que lhe feita hoje, um ou outro Ministro escapa disso.

Barata

Pekush (Advogado Autônomo)

Esse aí é aquele mINISTRO que determinou a soltura por três vezes do compadre Jacob Barata, rei do ônibus, sem se dar por impedido?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/05/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.