Consultor Jurídico

Paridade de armas

Deputado quer garantir aquisição e porte de arma de fogo a advogados

Por 

O deputado federal Daniel Silveira (PSL) apresentou no início deste mês um projeto de lei para incluir entre os direitos dos advogados a aquisição e o porte de armas de fogo para defesa pessoal.

ReproduçãoDeputado considera que advogado possui os mesmo riscos de juízes e membros do MP e, por isso, merecem ter direito a porte de armas para defesa pessoal

O PL 3.213/2020 altera o Estatuto da Advocacia (Lei 8.906/94) e a lei que trata do registro de armas (Lei 10.826/2003).

O texto sugere que a autorização para advogados deve ser equivalente ao direito dos magistrados e membros do Ministério Público, "em quantidades e calibres, e terá validade em todo território nacional, independentemente da Seccional em que o advogado for inscrito".

A previsão é que o advogado interessado em ter o porte de arma de fogo terá a aprovação condicionada à comprovação de autoridades competentes. Dentre os critérios está a demonstração de capacidade técnica e aptidão psicológica para manusear arma de fogo, que devem ser atestadas, e ausência de condenação por crime doloso. Será exigida também a comprovação de inscrição e regularidade nos quadros da OAB e certidão de residência.

O deputado justifica que seu objetivo é garantir as prerrogativas legais do exercício da advocacia, com base nos princípios da isonomia e o direito à vida, à liberdade e o livre exercício da profissão.

De acordo com o parlamentar, não são raras as vezes em que o advogado sofre com atentados. Sem dados ou fontes, ele afirma que promotores e magistrados são autorizados a portar armas, "tendo em vista que a audácia dos criminosos é cada vez maior, com números assustadores de atentados contra as vidas destes honrosos servidores públicos".

"O exercício da profissão do advogado possui os mesmo riscos daquela desenvolvida por juízes de Direito e promotores de Justiça, ainda que figurem em pólos diversos nas demandas judiciais", diz o parlamentar, que ressaltou que o porte da arma para a defesa pessoal será facultativo.

Clique aqui para ler o projeto.
PL 3.213/2020




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 19 de junho de 2020, 14h12

Comentários de leitores

2 comentários

Executar o cliente inadimplente

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

Aprovado este projeto, advogados que não forem pagos nos honorários contratuais terão de ter extremo cuidado em informar ao cliente que serão obrigados a executá-los.

Portar arma somente se tiver aptidão técnica e psicológica

E. Coelho (Jornalista)

Merece destaque esse trecho do projeto de lei:
"Importante ressaltar que o porte de arma de fogo para defesa pessoal não é obrigação e sim faculdade, podendo o cidadão, no gozo de sua
profissão advocatícia, fazer tal requerimento".

Comentários encerrados em 27/06/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.