Consultor Jurídico

Aplicação retroativa

Empresa que perdeu no Carf por voto de qualidade reverte decisão na Justiça

Por 

Juíza determinou a aplicação retroativa de voto de qualidade a favor do contribuinte 
Reprodução / CARF

Constatado o empate no julgamento do recurso administrativo que confirmou a existência do débito discutido, impende reconhecer a necessidade de revisão do ato, nos termos do artigo 19-E da Lei 10.522/02, a fim de que não lhe seja aplicado o voto de qualidade, mantendo-se assim o entendimento favorável ao contribuinte.

Esse foi o entendimento da juíza Carla Dumont Oliveira de Carvalho, que deferiu pedido de tutela em favor de um banco para aplicação retroativa do desempate a favor do contribuinte.

Na ação, o banco pediu a suspensão da exigibilidade do débito e que as autoridades fazendárias se abstenham de adotar sanções fiscais e/ou medidas coercitivas relacionadas à execução do débito questionado.

Nos autos do processo administrativo, destinado à verificação de eventual recolhimento a menor a título de Cofins nos anos de 2010 e 2011, apurou-se um débito em desfavor do contribuinte no valor atualizado de R$ 33 milhões.

Na esfera judicial, o banco alegou então que faz jus à aplicação retroativa do artigo 19-E da Lei 10.522/2002, incluído pela Lei 13.988/2020, tendo em vista que tal dispositivo extinguiu o voto de qualidade no caso de empate no julgamento do recurso administrativo, devendo prevalecer o entendimento favorável ao contribuinte.

Ao analisar o caso, a magistrada afirma que a abrangência do novo dispositivo alcança os julgamentos administrativos ocorridos antes de sua edição, como ocorre no caso dos autos, tratando-se de hipótese em que se autoriza a retroação da lei tributária, na forma do artigo 106 do Código Tributário Nacional.

O tributarista Breno Dias de Paula exaltou a sentença. “A decisão é justa e legal. Sempre defendíamos que a melhor interpretação ao caso do voto de qualidade era o artigo 112 do CTN, ou seja, em caso de empate deveria prevalecer o entendimento favorável ao contribuinte. A nova legislação, interpretativa, veio regulamentar a matéria, que deve ser retroativa, nos termos do artigo 106 do CTN”, resume.

Clique aqui para ler a decisão
1024238-49.2020.4.01.3800




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 28 de julho de 2020, 21h45

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/08/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.