Consultor Jurídico

TV Justiça

"História e Justiça" desta semana é com Santa Cruz, presidente nacional da OAB

O advogado Felipe Santa Cruz, presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, é o convidado desta semana do "História e Justiça", da TV Justiça, a partir das 20h desta segunda-feira (27/7).

Felipe Santa Cruz, presidente da OAB nacional
Reprodução/Facebook

"História e Justiça" é um programa de entrevista que mostra que a história do Brasil passa pela história do Judiciário. O bate papo é conduzido pelo jornalista Marcio Aith.

Na edição de hoje, Santa Cruz vai falar do combate à corrupção. "A OAB participou diretamente pelo fim do financiamento empresarial nas campanhas eleitorais, na criação da Lei da Ficha Limpa. Mas o combate deve ser dentro da lei. Da ampla defesa e do contraditório, com juiz imparcial", disse.

Santa Cruz ganhou notoriedade por repudiar publicamente mandados coletivos de busca e apreensão durante intervenção federal no Rio de Janeiro, defendendo que as medidas infringiram as garantias individuais de inviolabilidade do lar e intimidade dos cidadãos.

O programa também vai debater a inviolabilidade das prerrogativas dos advogados e os desafios da entidade e da categoria, como o código de ética e o de publicidade.

O presidente da OAB responderá a perguntas de Márcio Chaer, diretor de Redação da ConJur e assessor de imprensa; José Álvaro Moisés, professor sênior do Instituto de Estudos Avancados da USP; e Leonardo Barreto, doutor em Ciência Política (UnB).

Na TV Justiça:
segunda (20h), terça (5h), quarta (19h) e sexta (13h)
Ou acesse aqui para acompanhar no YouTube.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 27 de julho de 2020, 15h10

Comentários de leitores

1 comentário

Alô oit ajude-nos abolir o trab. Análogo a de escravos

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos , escritor, jurista. “DE TODOS OS ASPECTOS DA MISÉRIA SOCIAL NADA É TÃO DOLOROSO, QUANTO O DESEMPREGO ( Janne Adms)
Senhores membros da ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT, ajude-nos abolir de vez o trabalho análogo a de escravos no Brasil, a escravidão moderna da OAB e inserir no mercado de trabalho cerca de quase 400 mil cativos ou escravos contemporâneos da OAB, devidamente qualificados pelo Estado (MEC) jogados ao banimento sem direito ao primado do trabalho. "O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigualdade, de descaso". Antes da promulgação da Lei Áurea, era legal escravizar e tratar as pessoas como coisa, para delas tirarem proveitos econômicos. A história se repete: Refiro-me ao jabuti de ouro da OAB, o famigerado caça-níqueis exame da OAB, cuja única preocupação é bolso dos advogados devidamente qualificados pelo Estado (MEC), jogados ao banimento, sem direito ao primado do trabalho, renegando pessoas a coisas.
Segundo o Egrégio STF a violação do direito ao trabalho digno impacta a capacidade da vítima de realizar escolhas segundo a sua livre determinação. Isso também significa “reduzir alguém a condição análoga à de escravo” (STF). Durante o lançamento do livro ‘Ilegalidade e inconstitucionalidade do Exame de Ordem do corregedor do TRF da 5º Região, Desembargador Vladimir Souza Carvalho, afirmou que exame da OAB é um monstro criado pela OAB. Disse q nem mesmo a OAB sabe do que ele se trata e que as provas, hoje, têm nível semelhante às realizadas em concursos públicos para procuradores e juízes. “É uma mentira que a aprovação de 10% dos estudantes mensure que o ensino jurídico do país está ruim..

Comentários encerrados em 04/08/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.