Consultor Jurídico

Processo ambiental

Judiciário pode determinar ao Executivo medidas para garantir direitos

Por 

O Poder Judiciário, em situações excepcionais, pode determinar que a administração pública adote medidas que garantam direitos constitucionalmente reconhecidos como essenciais sem que isso configure afronta ao princípio da separação de Poderes.

Entroncamento rodoviário em Osasco (SP)
Divulgação

Assim entendeu a 6ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo ao manter sentença de primeiro grau que condenou a Prefeitura de Osasco a realizar obras de infraestrutura em um bairro onde há constantes enchentes e alagamentos.

O Ministério Público ingressou com ação contra a prefeitura, pedindo a adequação de galerias de águas pluviais localizadas no Jardim Santo Antoninho e eventual indenização aos moradores afetados por enchentes. Em primeiro grau, foi fixado prazo de um ano para a realização das obras, sob risco de multa diária de R$ 2 mil, limitada a R$ 200 mil, em caso de descumprimento.

O município recorreu, mas não obteve sucesso no TJ-SP. Segundo o relator, desembargador Sidney Romano dos Reis, o que se tem, da leitura dos autos, é a "aferição nítida da responsabilidade exclusiva do município-réu pelas enchentes no bairro Jardim Santo Antoninho, por falha na regularização da rede pluvial, com longa inércia na realização de obras de infraestrutura".

O relator destacou que a situação precária da região já dura 20 anos e a responsabilidade pela regularização é do município, conforme o artigo 30, VIII, da Constituição. "Todos os elementos fáticos e jurídicos delineados nos autos mostraram-se robustos e comprovados por documentos e estudo técnico elucidativo o que, corretamente, levou à procedência da pretensão inicial condenação do município na obrigação de fazer (adequação da rede de águas pluviais) e de ressarcir munícipes afetados pela enchente", disse.

Por fim, Reis também afastou a alegação do município de insuficiência do prazo de um ano para a realização das obras. Isso porque, segundo ele, os fatos remontam há mais de uma década e "o município não toma qualquer providência para solucionar ou, quiçá, minimizar o problema". A decisão foi por unanimidade.

0048739-75.2008.8.26.0405

Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 1 de julho de 2020, 7h21

Comentários de leitores

1 comentário

atos de gestão

Vander (Outros)

A Procuradoria do Município deverá recorrer para o STJ. Trata-se de atos de gestão, sendo o executivo o legitimado conforme disponibilidade financeira e previsão orçamentária o detentor da decisão discricionária de eleger quais obras serão executadas. A decisão judicial, ao revés do quanto decidido, data venia, fere e maltrata a independência e harmonia que deve existir entre os poderes. Cada macaco no seu galho.

Comentários encerrados em 09/07/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.