Consultor Jurídico

Opinião

A Constituição foi escrita para proteger o povo brasileiro

Por 

O dr. Ulisses Guimarães referiu-se, com razão, à carta promulgada em 5 de outubro de 1988 como a Constituição Cidadã, aquela que veio para proteger o povo pobre e sofrido do Brasil, que vem sendo massacrado, humilhado e maltratado desde o descobrimento.

É o que se pode ver pela saga de luta permanente dos povos indígenas; dos negros de ascendência africana, sequestrados em sua terra para serem aqui escravizados por longos trezentos e cinquenta anos; do caboclo da Amazônia; do nordestino retirante e sem terra; dos tantos milhões que hoje sobrevivem, de forma insalubre e sem proteção do poder público, nas favelas das grandes cidades brasileiras.

Como dito por outro pai e guardião da Constituição Cidadã, o correto e justíssimo José Bernardo Cabral, os constituintes de 1987/1988 tiveram o cuidado de colocar na parte inicial do Texto Maior os princípios fundamentais da República e da garantia dos direitos do homem, inseridos nos artigos 1º, 3º, 5º, 6º e 7º, em respeito ao povo brasileiro, anteriormente sempre colocado na parte final das Constituições.

O povo brasileiro, como destacou o professor Darcy Ribeiro, é da luta diária pela sobrevivência, que acorda muitas vezes às três ou quatro horas da manhã para trabalhar e, com sua força, construir este grande país; mas que é desrespeitado pela elite nacional, que não reconhece o esforço desta gente negra, mestiça e pobre, que pouco ou quase nada recebe na distribuição das riquezas propiciadas pelo seu esforço e trabalho.

A Constituição redigida pelo dr. Ulisses e por Bernardo Cabral, Mário Covas, Florestan Fernandes, Beth Mendes, Benedita da Silva e tantos outros constituintes é aquela que veio para reparar o autoritarismo; e, mais do que isto, para dar cidadania a quem jamais a teve, aos que sempre lutaram por um pedacinho de terra para plantar e sobreviver com um mínimo de dignidade.

Ao contrário do que tentam incutir em nosso pensamento, visando a acomodar e adormecer qualquer vestígio de rebeldia contra tantas injustiças, o passado do Brasil é marcado por lutas históricas do povo, cuja memória é em grande parte escondida pela elite do país, que, por meio da violência militar, massacrou populações indefesas, a exemplo do ocorrido na Guerra de Canudos (1896-1897), na Guerra do Contestado (1912-1916), no Caldeirão de Santa Cruz do Deserto (1937) e, também, durante o regime autoritário de 1964-1985, em que se prosseguiu com o extermínio dos povos indígenas (iniciado desde o descobrimento), e durante o qual civis foram presos, torturados, desaparecidos e mortos.

Esse massacre continua nos dias atuais, mediante os cortes indiscriminados de direitos sociais pelas chamadas "reformas", que, na verdade, deformam a Constituição Cidadã; e não dá trégua, em sua perseguição contínua contra a população negra, mestiça e pobre das favelas e periferias das cidades e do campo.

Ressalte-se que a Constituição de 1988 nasceu para abolir toda forma de autoritarismo e violência, representados pelas ditaduras do passado (1937-1945 e 1964-1985). Mas, infelizmente, esses males ainda se fazem presente, por conta do "passado não resolvido", sobre o extermínio dos povos indígenas e as mazelas da escravidão.

A hipocrisia com que se busca apagar estes episódios trágicos da história brasileira se repete na indiferença demonstrada diariamente por uma sociedade apática, que não se indigna diante da crueldade dos mais de 60 mil assassinatos de jovens negros pobres por ano; que não protesta diante da ausência de proteção do Estado durante a grave crise sanitária da Covid-19, em que, para um governo frio e desumano, morrer um ou um milhão dá no mesmo.

Descaso e descompromisso constituem as marcas características do olhar da classe dominante (e parcela da classe média) sobre a população, que foram registrados muitas vezes pela arte, como no poema "De frente pro crime", do saudoso Aldir Blanc, em canção eternizada na voz de João Bosco: "Está lá o corpo estendido no chão".

Temos de dar um fim a tanta indiferença! Pois está mais do que na hora de se resgatar a força originária da Constituição para retomarmos a construção do Brasil, interrompida pelo que deveria ser o "inexequível impeachment" de Dilma Rousseff, como dizia, à época, Orpheu dos Santos Salles.

É preciso destinar, efetivamente, o poder e a construção do país ao povo brasileiro, que está se defendendo como pode, e sem qualquer ajuda, dos males da pandemia e contra um governo que o ameaça, a todo momento, com repressão policial e militar.

Precisamos dizer basta para esse governo, que só concede favorecimentos para a elite parasita, que não trabalha nem permite a justa distribuição da riqueza produzida por todos, ao contrário do pretendido por Ulisses Guimarães, Bernardo Cabral e outros constituintes, que, ao estabelecerem os princípios fundamentais da República, pretenderam assegurar que o povo brasileiro pudesse, enfim:"construir uma sociedade livre, justa e solidária; garantir o desenvolvimento nacional; erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; e promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação".

Assim, deixemos a retórica de lado e retomemos o pacto constitucional! Precisamos trabalhar para materializar o impedimento, o afastamento e a responsabilização de todos os que conspiraram e conspiram contra os interesses do povo brasileiro, devendo ser rechaçada qualquer tentativa de "acordão", que não passa de estratégia da elite para retomar o controle, concedendo em troca proteção ao governo e "esquecimento" dos seus atos autoritários, para, finalmente, continuar o desmonte e a entrega do país.




Topo da página

 é advogado, doutor em Ciência Política, com pós-doutorado, mestre em Direito e vice-presidente da Comissão de Direito Constitucional do Instituto dos Advogados Brasileiros.

Revista Consultor Jurídico, 1 de julho de 2020, 6h04

Comentários de leitores

2 comentários

"Povo", cara pálida?

Advogado (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O povo elegeu o Executivo e o Legislativo atuais. Agora eles, presidente da República e parlamentares, exercerão o poder em nome do povo. Em uma democracia representativa é assim que funciona. Para saber se o povo vai tirar o governo que aí está é só aguardar 2022 e contar os votos. Fora disso, em situação excepcionalíssima, existe a figura do impeachment. Mas para isso há que se ter uma conjunção de fatores, entre os quais conseguirem colocar 1 milhão de pessoas na Av. Paulista gritando "fora" (como foi com Collor e Dilma).

Só na próxima encarnação se terá uma revolução nesta ilha

MACACO & PAPAGAIO (Outros)

Parabéns pelo artigo que conclama pela rejeição à retórica e ao discurso vazio que impera ha 500 anos na Banânia.
Enquanto hover concentração de renda e a classe política e juristocrática ganhar 20 vezes mais que um professor da Educação Básica, esse país nunca crescerá.
Luz, câmara ... e inação. Defeito de fábrica do DNA em terra brasilis.

Comentários encerrados em 09/07/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.