Consultor Jurídico

Notícias

Procedimento sigiloso

MPF-SP denuncia Lula e Boulos por invasão do tríplex do Guarujá

Spacca

O Ministério Público Federal de São Paulo apresentou denúncia contra o ex-presidente Lula e Guilherme Boulos, do PSol, pela invasão do tríplex do Guarujá (cuja posse o próprio MPF atribui a Lula, mas que estava sob intervenção judicial na época).

A informação foi noticiada pelo site O Antagonista, e, depois, também pelo jornalista Fausto Macedo, no Estadão, e pelo Valor Econômico. No entanto, assessores de imprensa do MPF informaram a jornalistas, em um grupo de WhatsApp, que "o procedimento está sob sigilo, portanto não temos como fornecer nenhum tipo de informação".

À ConJur, o advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin, informou não ter tido acesso à denúncia ainda.

Segundo noticiado pelos sites, Lula e Boulos foram denunciados, junto com outras três pessoas, com base no artigo 346 do Código Penal, que criminaliza os atos de "tirar, suprimir, destruir ou danificar coisa própria, que se acha em poder de terceiro por determinação judicial".

Lula foi apontado como incentivador da ocupação do tríplex pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST, liderado por Boulos) porque, em janeiro de 2018, fez um discurso em São Paulo afirmando que já tinha pedido "para o Guilherme Boulos mandar o pessoal dele ocupar" o apartamento.

Relação promíscua
O Antagonista foi protagonista da última denúncia da série apelidada de Vaza Jato, na qual o site The Intercept vem divulgando os bastidores do funcionamento da operação "lava jato".

A promiscuidade da relação entre membros do MP e o site ficou evidente diante do fato que integrantes da força-tarefa solicitaram aos jornalistas a não publicação de algumas notícias, pedido que foi acatado.

Os jornalistas também consultaram os procuradores para saber que candidato a procurador-geral da República (PGR) eles estavam apoiando.

Os jornalistas ainda sugeriram a procuradores, com base em boatos, que investigassem fatos que pudessem atingir o PT. Foram atendidos, ao menos inicialmente, afirma a reportagem.

Revista Consultor Jurídico, 29 de janeiro de 2020, 16h44

Comentários de leitores

11 comentários

Não sou IDEOLOGISTA, sou Advogado Criminal pautado na CF88

sim, (Advogado Autônomo - Criminal)

Estou também a me perguntar ( filiando-me ao posicionamento do - olhovivo - tema: só para aprender o certo - que disse: "Por terem me ensinado algo no 2º ano da faculdade sobre tipicidade penal, a dúvida é qual dos núcleos do tipo foi ou foram praticados (Tirar, suprimir, destruir ou danificar coisa)? Tiraram ou suprimiram o ap do lugar? Destruíram ou de alguma forma danificaram?". ???. E mais, conforme a "LEI, CF/88" já pacificado no STF (todos sabem disso) não se afigura culpado nem um acusado antes do transito em julgador de sentença penal condenatória (art. 5º, LVII), FOI o SUPREMO QUE DISSE, e, enquanto isso NÃO mudar por meio do legislativo (vontade do povo), TODOS TEM QUE ACEITAR e ponto Final. Saudações a todos, é como penso, artigo 5º, IV, CF/88.

Comentário

Afonso de Souza (Outros)

Lula, no mesmo dia em que foi preso, fez um discurso dizendo que já tinha pedido ao Boulos para mandar o MTST ocupar o tríplex, que já estava bloqueado pela Justiça. Ou seja, invadiram um imóvel bloqueado pela Justiça. Além disso, o pessoal do MTST colocou um cartaz com a frase “se é de Lula, é nosso”.

Lawfare

Contrariado (Auditor Fiscal)

Sr. Max, tendenciosa e ofensiva, além de ser uma grande canalhice, é o uso da administração pública e da mídia para perseguir desafetos e escolhidos inimigos políticos. As acusações do MP, sem um mínimo de base legal, têm se tornado constantes e corriqueiras, mas apenas contra as "esquerdas", o que tem permitido o império da ignorância, da truculência, do terraplanismo e da rapina que nos assola. Aos amigos, o perdão da inércia ou prescrição; aos inimigos, o vale-tudo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/02/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.