Consultor Jurídico

Igualmente preponderantes

Confissão espontânea compensa agravante de reincidência, diz TJ-SP

Por 

Se o réu confessar o crime ao ser interrogado em juízo, incide a atenuante da confissão espontânea, que compensa a agravante da reincidência, por ser igualmente preponderante. Com esse entendimento, a 3ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo reduziu a pena de um homem condenado por receptação por ter adquirido equipamentos médicos furtados sabendo da procedência, e depois anunciar os itens em um site de vendas.

Em juízo, o réu confessou o crime. “A circunstância agravante da reincidência e a circunstância atenuante da confissão espontânea foram reconhecidas, e acompanho o entendimento de que a confissão espontânea e a circunstância agravante da reincidência são igualmente preponderantes, na medida em que ambas refletem aspectos sobre a personalidade do agente, a teor do artigo 67 do Código Penal”, disse o relator, desembargador Andrade de Castro.

A pena do réu foi reduzida pelo TJ-SP, passando de quatro para três anos de prisão. O regime de cumprimento também foi modificado, do fechado para o semiaberto. Isso porque, segundo o relator, mesmo diante da reincidência do acusado, o crime de receptação foi praticado sem violência ou grave ameaça à pessoa, a teor da Súmula 269 do Superior Tribunal de Justiça: “É admissível a adoção do regime prisional semiaberto aos reincidentes condenados à pena igual ou inferior a quatro anos se favoráveis as circunstâncias judiciais”.

O desembargador rejeitou o pedido da defesa para desqualificar o crime de receptação qualificada para a modalidade simples do delito. Para ele, “os elementos de prova coligidos aos autos são suficientes a demonstrar que o acusado tinha conhecimento da origem ilícita dos equipamentos em questão”, ou seja, a “incidência da circunstância qualificadora é inquestionável”.

“Não seria demais afirmar que o elemento subjetivo do crime de receptação de difícil análise por se tratar da mais íntima consciência do indivíduo acerca da origem do bem só pode ser analisado à luz dos elementos probatórios extraídos no curso da persecução penal, tanto na fase administrativa da investigação quanto no curso da instrução processual, e aqui bastaram a demonstrar a propriedade da acusação”, concluiu Castro. A decisão foi por unanimidade.

0065051-75.2018.8.26.0050

Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 29 de janeiro de 2020, 7h21

Comentários de leitores

2 comentários

É piada essa indignação?

Luiza Morata (Estudante de Direito - Criminal)

Mais e mais pessoas que se autointitulam grandes conhecedores de Direito Penal opinando sem se dar ao trabalho de conhecê-lo de fato.
Aos perdidos.. Receptação é crime sem violência ou grave ameaça à pessoa, pois se trata - em síntese - apenas de adquirir/receber/guardar em depósito etc. coisa que sabe ser produto de crime. Não se utiliza de ameaça ou violência contra pessoa na prática dessa conduta.
Ou roubo e receptação se confundem, agora?

Piada?

Professor Edson (Professor)

Houve crime de receptação sem grave ameaça ou violência???? É alguma piada isso?

Comentários encerrados em 06/02/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.