Consultor Jurídico

Discurso discriminatório

Líder indígena protocola representação contra Bolsonaro na PGR por racismo

Por 

A Articulação de Povos Indígenas do Brasil (Apib) protocolou na Procuradoria Geral da República, nesta sexta-feira (24/1), uma representação por crime de racismo contra o presidente Jair Bolsonaro. A ação foi motivada pelas declarações dadas por ele nesta quinta-feira (23/1). Na ocasião, afirmou que “o índio tá evoluindo, cada vez mais é ser humano igual a nós".

Coordenadora-executiva da Apib, Sonia Guajajara assina representação contra o presidente na PGR
Reprodução/Facebook

Em declaração à ConJur, a líder indígena e coordenadora-executiva da Apib, Sonia Guajajara, informou os motivos da representação.

“Chega de tantas afrontas desse governo! Não podemos naturalizar essas ofensivas. Desde a campanha, Bolsonaro nos insulta, nos agride. Sempre se referindo aos povos indígenas como não sujeitos de direitos, defendendo uma suposta autonomia, quando na verdade, seu objetivo é integrar todos num único modelo de sociedade. E, com isso negar um direito constitucional já estabelecido e que nos reconhece enquanto “povos indígenas” e cidadãos sujeito de direitos."

O texto enviado à PGR lembra que não é a primeira vez que Bolsonaro se refere aos povos indígenas de maneira discriminatória. “Vale lembrar que palestra realizada no Clube Hebraica no Rio de Janeiro, em abril de 2017, ora Representado, em mais um discurso de ódio e de intolerância que tem marcado sua atuação, notadamente contra os direitos humanos, desferiu diversas ofensas contra os povos indígenas e comunidades quilombolas."

A representação ainda afirma que “este discurso retrógrado de que os povos indígenas precisam ‘evoluir’ são manifestações que tendem legitimar violações ao seu modo de vida dos povos indígenas".

O documento também pede que sejam adotadas as medidas cabíveis, e que a PGR oferte uma denúncia contra o presidente. Também é solicitado que o Ministério Público Federal avalia a possibilidade de propor uma ação de reparação moral por danos coletivos, em face da violação da dignidade dos povos indígenas do Brasil.

Clique aqui para ler a representação

Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 24 de janeiro de 2020, 22h09

Comentários de leitores

2 comentários

Líder indígena

ADEVANIR TURA - ÁRBITRO - MEDIADOR - CONCILIADOR (Outros - Civil)

Claro, que essa moça está sendo orientada pela PODRE esquerda. Que idiotice. Não vejo ofensa alguma. Tudo que o presidente fala nesse país, os esquerdopatas derrotados e que não podem mais mamar nas tetas do Governo, caem de pau. Quando o povo descobrir que essas pessoas atrasam o desenvolvimento da nação por causa das suas ideologias sujas, aí sim, nosso povo estará desenvolvido de verdade. Enquanto isso, temos que assistir esses idiotas que ao invés de torcer para o barco não afundar, ficam fazendo política podre para afundá-lo, como se eles não estivessem dentro. O que podemos verificar de verdade, é que nosso país está voltando nos trilhos e andando novamente. Isso não podemos negar.

Ninguem pode elogiar

Glaucio Manoel de Lima Barbosa (Advogado Assalariado - Empresarial)

O que o PT fez com o querido BRASIL.Vivemos em uma sociedade dividida. Até um elogio considera-se ofensa.

Comentários encerrados em 01/02/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.