Consultor Jurídico

Sem investigação

MPF ignora liminar do STF e denuncia Glenn Greenwald por invasão de celulares

Retornar ao texto

Comentários de leitores

16 comentários

Se a blindagem falhar, os próximos serão os mandantes

DAGOBERTO LOUREIRO - ADVOGADO E PROFESSOR (Advogado Autônomo)

O que fazer num inquérito quando há um cidadão, que, em tese, não deve ser investigado, em que é proibido investiga-lo, mas as provas afloram e não há como soterra-las e remete-las ao esquecimento? Será que a proibição, emanada da mais alta Corte do País, tinha essa finalidade, previu essa possibilidade, determinou que se fizesse vistas grossas e desse o visto por não visto, que o órgão de acusação denunciasse todos os demais envolvidos, garotos interessados nuns trocados, menos esse que recebeu o inusitado salvo-conduto, que aparece não como mero integrante da quadrilha, mas como o coordenador e responsável por toda a trama criminosa?
Com efeito, a urdidura foi meticulosamente engendrada, começando com a ação de simples meliantes, hackers, que invadem computadores de autoridades em busca de informações comprometedoras e, ao tentarem vender o que haviam captado nessas investidas, fizeram contato com um jornalista especializado em revelar documentos que põem a nu autoridades que se desviaram da via estreita e rigorosa da lei.
Como se sabe, corruptos milionários, que saqueiam os cofres públicos em plena luz do dia, articularam esse plano com o claro objetivo de livrar da cadeia os envolvidos na Operação Lava-Jato, que precisava ser melada e estancada antes que alcançasse outros poderosos de plantão.
A blindagem falhou, sem que se possa falar que houve descumprimento da decisão do STF, de modo que, se prosseguirem, as investigações levarão aos mandantes de toda a patifaria.
Importa considerar que os diálogos divulgados são inofensivos, nada têm de ilegais. A lenda de que Juiz não pode falar com procurador é derrubada com um só exemplo: na Itália, essas duas instituições são una, eis que seus integrantes ora atuam como Juízes, ora como Procuradores.

Onde reside o bom senso?

Maurício Schulz (Consultor)

Espantosa é a maioria dos que aqui comentam acusar a promotoria disso ou daquilo desobedecendo o STF. Parece-me aqui que o indivíduo quando adestra-se pelo jurisdicional tão somente perde completamente o bom senso e deixa de enxergar os absurdos provenientes das decisões dos ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli principalmente. Nesse caso específico é clara a intenção política de blindar Glenn. Mas torno a questionar-me: por que a maioria dos advogados aqui balizam-se tão somente ao "protocolismo" da Lei ficando do lado de gente como Gilmar e Toffoli e acusam o procurador de politicagem? Não é obvia a arbitrariedade do supremo nesse e em outros casos ao defender organizações criminosas com suas poderosas canetadas (entenda-se liminares e HCs)? Onde está o bom senso?

O mesmo procurador que denunciou Felipe Santa Cruz

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

Tinha de ser o mesmo Procurador que fez aquela vexaminosa denúncia contra Felipe Santa Cruz, passando atestado da mais gritante inépcia...
Como bem comentado, mais um candidato a ser processado pela Lei de Abuso de Autoridade, mas aí o TRF pode resolver passar o pano, o jogo da vitimização, agora MPF e Juízes querem se fazer de mártires de uma santa cruzada.

Inauguração da laa

olhovivo (Outros)

Essa é uma ótima oportunidade de inaugurar a Lei de Abuso de Autoridade (Art. 30. Dar início ou proceder à persecução penal, civil ou administrativa sem justa causa fundamentada ou contra quem sabe inocente). Se havia uma cautelar do STF impedindo qualquer medida criminal contra o jornalista, não há como negar a inexistência (ou, mais ainda, o impedimento) de justa causa para a persecução, independentemente de a ação se basear exclusivamente em um trecho de conversa interpretada pelo persecutor. Agora é medir até que ponto vai o corporativismo do MPF. Ótima oportunidade, também, para demonstrar que todos são iguais perante a lei, em especial perante a lei penal.

sofisma

Patricia Ribeiro Imóveis (Corretor de Imóveis)

Consta que o Procurador, instado a explicar a desobediência à decisão do Supremo, teria dito que não houve investigação em relação ao jornalista e que apenas se deparou com provas do envolvimento do jornalista com o fato típico investigado.

No entanto, a decisão do Supremo não se limitava a impedir investigações; era clara no sentido de impedir "qualquer forma de responsabilização do jornalista".

Clara desobediência, então.

Fim do regime democrático

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Pois é. Apagam-se as luzes da democracia brasileira, com 1 milhão de advogados acovardados, uma OAB omissa, e um povo submisso e amedrontado.

Coisa de criança pirracenta

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

"O Supremo Tribunal Federal determinou uma coisa, mas como eu tenho minha 'autonomia funcional' vou desafiar o STF e vou fazer o que quero".

Jogo de cena, para tentar jogar as hordas agora não tanto protofascistas, mas já para assumidamente, contra o STF.
Enfim, nos EUA aconteceu a mesma coisa, só que não tentaram tão escancaradamente bater de frente com a SCOTUS nos EUA.
https://www.nytimes.com/2016/06/30/insider/1971-supreme-court-allows-publication-of-pentagon-papers.html

Atentado contra a democracia

André Pinheiro (Engenheiro)

Atacar o mensageiro é um delito grave. É crime de Estado contra a humanidade. Esse tipo de conduta deveria ter repreenda por parte do próprio MPF.
Se o MPF não estivesse prevaricando em todas os outros vazamentos ilegais.
A lei de improbidade administrativa considera improbidade vazamento de interceptação ilegal. E sequer o Moro foi acusado.
Poderia o juiz retirar a sigilo de conversa legalmente interceptada mas jamais ilegalmente, fora do prazo, interceptada.
Isso é a formação de Burocracia de Coalizão Deturpada, miliciana em sua essencia, devido ao caráter privatista do uso do poder de punir e perseguir do Estado por questões pessoais.
A democracia do Brasil morre aos poucos enquanto Milícias e Burocratas faturarem de forma privatista com palestras, livros, aparelhando o Estado com cargos públicos (aparentemente os homens de confiança do juiz imparcial no MJ e na PF eram os acusadores da Lava Jato) e ainda formando uma Fundação Bilionária. Tudo que acusaram o Lula, com uma diferença, o Lula só fez depois que largou o cargo público.

15 minutos de fama

Jilmar Mêdis kkk (Advogado Sócio de Escritório - Previdenciária)

Fadada ao arquivamento, como a confeccionada pelo mesmo procurador, contra Santa Cruz. Se seguir, no momento certo, Glenn será inocentado. Sua Excelência, o procurador já obteve, seus 15 minutos fama. Retorne ao verdadeiro e imprescindível trabalho atribuído do MP.

15 minutos de fama

Jilmar Mêdis kkk (Advogado Sócio de Escritório - Previdenciária)

Fadada ao arquivamento, como a confeccionada pelo mesmo procurador, contra Santa Cruz. Se seguir, no momento certo, Glenn será inocentado. Sua Excelência, o procurador já obteve, seus 15 minutos fama. Retorne ao verdadeiro e imprescindível trabalho atribuído do MP.

Ilegal e anti-ético

Bruno V. M. Belentani (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Mais uma vez um dos Procuradores da instituição, na qual cada membro, por si só, já a representa como um todo, ferem os baluartes constitucionais quando se utilizam de uma denúncia para perseguir uma pessoa por motivos políticos. O que é pior: dessa vez com uma decisão expressa do STF para que não houvesse qualquer tentativa de responsabilização por parte de órgãos e autoridades públicas e, principalmente, a intenção clara de censura e o apedrejamento da nossa liberdade, tão duramente conquistada.
Uma pena.

Como as democracias morrem

O JR (Advogado Autônomo)

Calando a voz que denuncia o arbítrio à opinião pública, esmagando o direito de defesa que os advogados representam, oferecendo demagógicos espetáculos de "moralização punitiva" para entreter a turba ululante das ruas, sob o aplauso dos beócios e apoio dos tiranos. É assim...

Conluio

acsgomes (Outros)

O diálogo mostrado no indiciamento do Glenn demonstra cabalmente o conluio entre o Glenn e os hackers (modo Intercept de narrar os fatos).

olho morto parece que proteger os corruptos !!

daniel (Outros - Administrativa)

O olho morto sempre parece estar querendo proteger os corruptos e atacar quem investigou os corruptos.

A passos largos para o fim da democracia

Nelson Capeleti (Advogado Assalariado - Civil)

Infelizmente, depois que o STF chancelou o impedimento da Presidente Dilma, o qual foi levado a termo ao arrepio da lei para fins políticos, passou-se a utilizar-se da lei e das instituições para fins políticos em proporções alarmantes.

A prisão do ex presidente Lula. A ação que levou a morte do Reitor da UFSC. A denúncia do que se chamou de Petrolão. A denúncia absurda contra o Presidente do Conselho Federal da OAB. Todas ações ao arrepio da lei para perseguir desafetos e/ou obter holofotes.

Agora estamos usando o Estado para perseguir jornalistas.

Malabarismo acusatório

olhovivo (Outros)

"Glenn teria indicado que as mensagens já repassadas a ele deveriam ser apagadas, para que o jornalista não pudesse ser ligado à obtenção do material."
Essa é a "conduta típica", na visão do procurador, de participação do jornalista na "empreitada" criminosa?
Definitivamente, o mpf demonstrou que não tem limites malabarísticos quando quer atingir alguém e, além de tudo, mesmo com uma liminar do STF.
Se ainda há uma imprensa decente, um Judiciário decente, um fiscal da lei minimamente decente, é caso de medidas rigorosas para salvaguardar a democracia e a "sine qua non" liberdade de imprensa.

Comentar

Comentários encerrados em 29/01/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.