Consultor Jurídico

Notícias

Condenada por tráfico

Ministério da Justiça deverá prestar informações sobre expulsão de filipina

Uma mulher filipina condenada por tráfico de drogas teve negado no Superior Tribunal de Justiça seu pedido de liminar para suspender a portaria do Ministério da Justiça que determinou sua expulsão do território brasileiro.

Todavia, diante de dúvidas a respeito do cumprimento da pena, o presidente do tribunal, ministro João Otávio de Noronha, solicitou ao ministro da Justiça informações sobre a iminência da efetivação da expulsão.

Em sua decisão, o ministro Noronha destacou que o deferimento de pedido de liminar exige a presença simultânea de dois requisitos autorizadores: o fumus boni iuris, caracterizado pela relevância jurídica dos argumentos apresentados no pedido, e o periculum in mora, relativo à possibilidade de perecimento do bem jurídico objeto do pedido.

Segundo o ministro, a portaria condiciona a efetiva expulsão da estrangeira ao cumprimento da pena a que estiver sujeita no país ou à liberação pelo Poder Judiciário.

"Na petição inicial, contudo, não se esclareceu o atual andamento da execução da pena. Além disso, não há indicação da data determinada para que referida expulsão ocorra", ponderou Noronha.

Por isso, apesar de indeferir o pedido de liminar, o ministro solicitou informações ao ministro da Justiça, que deverá esclarecer se é iminente a efetivação da expulsão. O presidente do STJ também pediu esclarecimentos ao juízo das execuções penais sobre o cumprimento da pena pela mulher.

No pedido de habeas corpus, a filipina contou que passou a conviver em união estável com um brasileiro. O relacionamento entre os dois foi reconhecido por sentença proferida em 2014.

De acordo com a defesa, em razão da união estável, a expulsão da estrangeira seria ilegal, já que a Lei de Imigração, em seu artigo 55, parágrafo II, alínea "b", estabelece que não se procederá à expulsão da pessoa que tiver cônjuge ou companheiro residente no Brasil, sem discriminação alguma, reconhecido judicial ou legalmente.

Além disso, no pedido de liminar, a defesa ressaltou que a filipina está em vias de ser expulsa, já tendo sido convocada pela Polícia Federal para a efetivação da medida. Com informações da assessoria de imprensa do STJ.

HC 556.592

Revista Consultor Jurídico, 20 de janeiro de 2020, 9h44

Comentários de leitores

1 comentário

Brasil e seus valores

Glaucio Manoel de Lima Barbosa (Advogado Assalariado - Empresarial)

Se o ato tivesse sido nas FILIPINAS, o BRASIL só ia saber da execução do cidadão.

Comentários encerrados em 28/01/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.