Consultor Jurídico

Notícias

Abalo psicológico

Portaria que restringiu visitas a presos é forma de tortura, diz ONG ao STJ

Por 

Com o argumento de que manter presos isolados é uma forma de tortura psicológica, o Instituto Anjos da Liberdade interpôs, nesta segunda-feira (13/1), recurso ordinário em mandado de segurança no Superior Tribunal de Justiça contra a Portaria 157/2019 do Ministério da Justiça.

Para instituto, portaria é uma forma de tortura psicológica aos presos 
Reprodução

A Portaria 157/2019, editada pelo ministro Sergio Moro, estabelece que as visitas sociais em prisões federais de segurança máxima estão restritas ao parlatório e à videoconferência, e não acontecem mais em pátio de visitação, exceto para os presos com "perfil de réu colaborador ou delator premiado".

Especialistas ouvidos pela ConJur opinaram que a norma é inconstitucional. O PT e o Instituto Anjos da Liberdade moveram a ADPF 579 contra a portaria. O relator do caso, ministro Luiz Edson Fachin, negou que o instituto figurasse como autor, mas admitiu sua participação como amicus curiae.

O instituto também impetrou mandado de segurança contra a norma, mas o pedido foi negado em primeira e segunda instâncias. No recurso ao STJ, a ONG argumenta que manter presos na solitária é uma tática de lavagem cerebral e tortura, usada em prisioneiros da Guerra da Coréia e da União Soviética. Estudos anexados pela entidade demonstram que a medida gera danos psicológicos irreversíveis aos detentos.

E o mesmo ocorre com aqueles que estão presos no sistema penitenciário federal, sustenta o Anjos da Liberdade. Para o instituto, a portaria viola tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário e constituiu crime contra a humanidade.

Além disso, a entidade argumenta que a proibição de visitas íntimas afasta pais de seus filhos e provoca dano emocional a crianças e adolescentes. A medida, conforme a ONG, pode ser considerada uma forma de alienação parental praticada pelo Estado.

O instituto também critica os benefícios a delatores e ressalta que presos mantidos em isolamento – como ocorre com os submetidos ao regime disciplinar diferenciado – têm maior propensão a desenvolver danos psiquiátricos irreversíveis.

Clique aqui para ler a petição
MS 24.976

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 14 de janeiro de 2020, 15h22

Comentários de leitores

8 comentários

Piada mesmo.

Alberto Alves (Outros)

O pessoal das ongs estão sempre do lado da bandidagem. Eles nem ligam para as vítimas que, na maioria das vezes, as próprias vítimas e/ou parentes, nem mesmo recebem assistencialismo psicológico.

Responder

Alienação Parental ?

Derby Pelaes Dias (Servidor da Secretaria de Segurança Pública)

Alienação parental? Poucas coisas podem ser mais violentas e traumatizantes do que um ambiente carcerário, e, expor crianças e adolescentes inocentes a este ambiente, só pro bandidinho se sentir melhor, é uma violência terrivel contra nossas crianças, sem contar que essas, neste ambiente com certeza são cooptadas pelo crime organizado, exploradas sexualmente.. enfim...não consigo aceitar que o Estado e a sociedade aceite tal monstruosidade passivamente...essas Ongs só servem ao mal. Deviam investigar o financiamento destas, de onde vem o dinheiro que as sustentam?

Responder

PT e ONG "Anjos pela Liberdade"

Vercingetórix (Advogado Autônomo - Civil)

É a mesma coisa que Comando vermelho e PCC.

Responder

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 22/01/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.