Consultor Jurídico

Notícias

Base Concreta

Réu confesso é solto após preventiva fundamentada em "argumentos genéricos"

Por 

Independentemente da gravidade do delito, é necessária a devida fundamentação concreta e individualizada para que seja decretada prisão preventiva. 

Réu confesso foi solto após HC argumentar que preventiva era fundamentada em "argumentos genéricos"
Reprodução

Foi com base nesse entendimento que a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso concedeu Habeas Corpus a um homem que confessou ter assassinado um jornalista em Cuiabá. O crime ocorreu em setembro de 2019. 

A decisão unânime foi fundamentada no entendimento do Superior Tribunal de Justiça, segundo o qual “a gravidade do crime com supedâneo em circunstância que integram o próprio tipo penal, aliada à ausência de fundamentação concreta e individualizada não constitui, de per si, motivação idônea a autorizar a prisão cautelar”. O relator do caso foi o desembargador Marcos Machado. 

A defesa, feita pelo advogado Carlos Henrique Nascimento Areco, argumentou que a cautelar, tal como definida pelo juiz Flávio Miraglia Fernandes, da 12ª Vara Criminal de Cuiabá, aparentava ter sido feita “em cima de peça modelo”. 

“Isso me deixa a impressão de que o direito fundamental da liberdade é tratado com descaso e que a autoridade judicial não se dá ao trabalho de analisar profundamente caso a caso, fazendo apenas um exercício de adaptar a decisão modelo já pronta ao caso que se apresenta”, afirma Areco. 

Ele usa como exemplo o trecho da decisão monocrática que afirma que “a prisão preventiva dos suspeitos deve mesmo ser decretada”. Embora o juízo tenha usado o plural, só há uma pessoa na qualidade de suspeito, argumenta. 

“O decreto de prisão preventiva contra o paciente incorre na falha de possuir apenas argumentos genéricos, onde não se evidencia a presença de argumentos específicos e concretos do caso que possam permitir que se encarcere previamente o increpado, além do que, pelo que se extrai da decisão, me parece tratar-se de decisão pronta onde apenas se adapta com as informações do fato que esteja sendo apreciado”, diz a defesa. 

Em resposta, a 1ª Câmara Criminal concedeu o HC, mas determinou que o réu compareça periodicamente em juízo, no prazo e nas condições fixadas, para informar e justificar atividades civis. Também proíbe qualquer contato com testemunhas e que o réu frequente bares e boates.

Clique aqui para ler a decisão
HC 1017648-32.2019.8.11.0000

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 13 de janeiro de 2020, 16h11

Comentários de leitores

5 comentários

Sem noção

Rubens R. A. Lordello (Advogado Autônomo - Civil)

Desculpem minha impertinência, mas réu confesso precisa de fundamentação?
Criminoso, assassino, qual seria a fundamentação para não ser preso?
Assassino confesso já não justifica tudo?
Penso que os doutos do direito estão se afastando do bom senso, sob os mais diferentes argumentos.

Responder

Fracasso da justiça penal no Brasil

Vercingetórix (Advogado Autônomo - Civil)

O assassino CONFESSO irá aguardar o transito em julgado para pagar pelo crime que cometeu (isso se realmente pagar).

Responder

Não existe proteção da sociedade

O IDEÓLOGO (Cartorário)

A sociedade está desprotegida, com a colaboração do Poder Judiciário.
O "rebelde primitivo" tem mais direitos que a o povão.

Responder

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/01/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.