Consultor Jurídico

Notícias

Liberdade de expressão

Netflix aciona STF contra censura de especial de Natal do Porta dos Fundos

Por 

Netflix ajuizou reclamação no STF contra censura contra grupo humorístico
Divulgação

A Netflix decidiu ajuizar uma reclamação no Supremo Tribunal Federal contra a decisão do desembargador Benedicto Acicair, relator do agravo de instrumento na 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que determinou a retirada de um especial de Natal do humorístico da plataforma.

A obra alvo de censura é o “Especial de Natal Porta dos Fundos: A Primeira Tentação de Cristo”. A decisão do desembargador foi provocada por uma ação movida pela Associação Centro Dom Bosco de Fé e Cultura.

Conforme a entidade, na produção, “Jesus é retratado como um homossexual pueril, Maria, como uma adúltera desbocada, e José, como um idiota traído”. Abicair entendeu nesta quarta (7/1) ser melhor suspender a exibição do especial até que se julgue o mérito do agravo de instrumento da associação. 

A reclamação no STF foi ajuizada pelo advogado Gustavo Binenbojm, da Binenbojm & Carvalho Britto.

O caso foi distribuído para o ministro Gilmar Mendes, entretanto, o presidente do STF, Dias Toffoli, que está de plantão durante o recesso da corte, deve decidir a questão em breve.

No mesmo dia em que o desembargador do TJ-RJ havia decidido censurar o programa, o ministro Marco Aurélio já havia se pronunciado sobre a questão. Para o magistrado da Corte Suprema, o veto deverá ser revertido nos tribunais superiores. "[A decisão] É uma barbaridade. Os ares democráticos não admitem a censura", disse Marco Aurélio ao colunista do jornal O Globo Bernardo Mello Franco.

Especialistas ouvidos pela ConJur também apontaram arbitrariedades no caso. Para o jurista Lenio Streck, a decisão “demonstra duas coisas: primeiro, que o Judiciário pensa que pode ditar a moral e o comportamento da sociedade; segundo, mostra o fracasso da teoria do direito no Brasil”.

Na opinião de Alexandre Fidalgo, advogado especialista em casos envolvendo liberdade de expressão, “a decisão é sem fundamento”, uma vez que não há nada no conteúdo que justifique sua retirada do ar.

Clique aqui para ler a reclamação da Netflix na íntegra

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 9 de janeiro de 2020, 16h27

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 17/01/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.