Consultor Jurídico

Notícias

Ação Truculenta

Sindicato dos Jornalistas de SP repudia prisão de fotógrafo em manifestação

Por 

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) divulgaram nesta quarta-feira (8/1) uma nota conjunta repudiando a prisão do repórter-fotográfico Rodrigo Zaim durante manifestação contra o aumento da tarifa de ônibus e trens. O ato ocorreu nesta terça-feira (7/1)

Fotógrafo foi detido durante manifestações contra aumento na tarifa dos transportes
Rodrigo Zaim

De acordo com o texto, a prisão do fotógrafo, que cobria o protesto e se identificou como jornalista, “é um ato que atenta contra a liberdade de imprensa e a democracia”. 

“Infelizmente, o que vemos mais uma vez é a truculência da Polícia Militar no trato dos movimentos sociais e com a imprensa. Nossas entidades lutam permanentemente para coibir a violência e garantir o exercício profissional”, afirmou o presidente do SJSP e vice presidente da Fenaj, Paulo Zocchi. 

O sindicato também informou que entrou em contato com o fotógrafo para manifestar seu apoio, colocando-se à disposição para qualquer demanda que o jornalista possa ter em virtude da abordagem realizada pelos agentes do Estado. 

Ação truculenta
De acordo com Zaim, por conta da chuva, os manifestantes se abrigaram no metrô Trianon-Masp. Com o acúmulo de pessoas, a polícia entrou na estação, avançando em direção à catraca para impedir que as pessoas chegassem à plataforma. 

"A todo o momento os policiais entravam em formação com os escudos e ameaçavam avançar, até que teve um momento em que um segurança do metrô agrediu a Andreza Delgado [Militante do Movimento Passe Livre], e aí começou a confusão de um lado da estação", afirmou o fotógrafo à ConJur

Ainda de acordo com Zaim, que foi solto nesta quarta-feira (8/1), os policiais "enquadraram todos os que estavam do lado oposto da estação, sendo que não dava mais para se retirar, porque as saídas estavam fechadas". 

Ao todo, 33 pessoas foram detidas, colocadas em um ônibus e encaminhadas para o 78º DP (Jardins). De acordo com testemunhas ouvidas pela Ponte Jornalismo, as abordagens foram feitas de forma aleatória. 

O protesto, puxado pelo Movimento Passe Livre (MPL), foi uma resposta ao aumento de R$ 0,10 no valor da tarifa do transporte público.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 8 de janeiro de 2020, 21h52

Comentários de leitores

3 comentários

B a d e r n a

O IDEÓLOGO (Outros)

Os valorosos policiais evitaram, de forma eficiente, a baderna, comportamento adotado pela maioria dos brasileiros em manifestações.

Lei do Abuso de Autoridade?

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Ao que parece, a ação dos Policiais estaria enquadrada na nova Lei do Abuso de Autoridade. No entanto, não há juízes, delegados ou promotores isentos para aplicar essa nova lei, e assim veremos mais um crime contra a democracia brasileira ser esquecido, e os criminosos tratados como heróis, cumprindo-se a histórica tradição brasileira de abuso estatal.

Lamentável

JB (Outros)

É lamentável, mas, tolerável nesse atual governo, todos sabiam que ia ser ser assim quando o elegeram, um governo que beira o fascismo. Outro dia ele disse aos jornalistas que a raça estava em extinção e que o planalto não assinaria e nem receberia mais revistas e jornais. A história nos conta que esta frase de extinção era na Alemanha nazista e na Itália fascista, o povo tem o governo que merece, agora estão todos que anestesiados, esperar 2022 e o povo mudar esse regime.

Comentários encerrados em 16/01/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.