Consultor Jurídico

Notícias

Responsabilidade individual

Nova lei que favorece cúmplices liberta primeiro prisioneiro na Califórnia

Por 

Em 1994, dois amigos combinaram assaltar um mercadinho em Walnut Creek, Califórnia, para roubar bebidas e dinheiro. Jesse Martinez entraria na frente e Jerry Drawhorn Jr., logo depois, para lhe dar proteção. Drawhorn entrou na loja no momento em que Martinez atirou no caixa Ted Black e o matou. Isso não estava nos planos.

Jamie Sanderson/Google MapsRéplica do Kwik-E-Mart nos Estados Unidos, da série animada "Os Simpsons"

Drawhorn, que teoricamente não tinha nada a ver com o assassinato, foi condenado por homicídio, tentativa de assassinato, tentativa de roubo e violação de propriedade. Ele testemunhou contra Martinez e a acusação principal foi reduzida para homicídio de segundo grau. Foi sentenciado pelo tempo indefinido de 15 anos à prisão perpétua.

Drawhorn pegou essa sentença por causa de uma lei da Califórnia, que vigorou até recentemente. A lei estabelecia que um réu seria responsabilizado por homicídio, quando ele ocorresse durante o cometimento de outro crime, tal como um roubo, mesmo que ele não tenha participado do assassinato e não estava em seus planos matar alguém.

Ou seja, se dois ladrões de galinha se deparassem com o dono das aves e um deles o matasse e ambos fossem acusados pelo roubo, os dois seriam condenados por homicídio — mesmo que o juiz se sentisse revoltado com a sentença obrigatória.

A nova lei estadual mudou isso. Ela determina que um réu só pode ser responsabilizado criminalmente e punido de acordo com suas próprias intenções e com suas próprias condutas.

A senadora estadual Nancy Skinner (democrata) e o senador estadual Joel Anderson (republicano), autores da medida legislativa, disseram ao Mercury News que a nova lei restaura os conceitos de responsabilidade individual, proporcionalidade e equidade. E que, obviamente, vai melhorar o sistema de justiça criminal do estado.

Na segunda-feira (6/1), o juiz John Kennedy, de um tribunal no Condado de Contra Costa (na região de São Francisco), anulou a sentença anterior, alterando-a, condicionalmente, para oito anos, com base na lei atualizada. Isso implica liberdade imediata para o réu porque, na verdade, ele já passou 25 anos na prisão.

Drawhorn, que foi condenado aos 23 anos, agora anseia para conhecer os netos.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 8 de janeiro de 2020, 15h40

Comentários de leitores

1 comentário

Escolheu o país errado.

NICOLAS COELHO (Advogado Autônomo - Empresarial)

Esse rapaz deveria praticar crimes no Brasil, aqui ele ainda estaria aguardando o trânsito em julgado.

Comentários encerrados em 16/01/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.