Consultor Jurídico

Lar, doce lar

TJ-SP afasta penhora de mansão declarada como bem de família

Por 

A lei não prevê qualquer restrição à garantia do imóvel como bem de família relativamente ao seu valor, tampouco estabelece regime jurídico distinto no que tange à impenhorabilidade. Ou seja, os imóveis residenciais de alto padrão ou de luxo não estão excluídos a priori, em razão do seu valor econômico, da proteção conferida aos bens de família conforme a Lei 8009/90.

Para TJ-SP, o simples fato de a casa ser de luxo não descarta a impenhorabilidadeErika Wittlieb/Pixabay

Com esse entendimento, a 11ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo afastou a penhora de uma mansão, declarada como bem de família em uma ação de execução de título extrajudicial. Um banco credor entrou na Justiça pedindo a penhora da mansão sob o argumento de que vinha, há meses, tentando receber o pagamento de uma dívida, sem sucesso.

Em primeiro grau, foi determinada a impenhorabilidade do bem, por ser a residência da família devedora. O banco recorreu ao TJ-SP, que manteve o entendimento. "No caso presente, os documentos acostados aos autos revelam que o imóvel declarado impenhorável foi o eleito pelos agravados, dentre os seus, como residência familiar, tanto assim que ali foram encontrados para citação, e o endereço é aquele constante das procurações que outorgaram", disse o relator, desembargador Walter Fonseca.

Assim, firmou-se o entendimento de que, no caso concreto, há suficiente prova documental de que o imóvel em questão se trata da residência dos devedores, constituindo seu bem de família, protegido legalmente contra a penhora: "Não se olvida que aludido imóvel é de luxo, o que se verifica pela grandeza de suas dimensões e pela sua localização. Todavia, a Lei 8.009/90 protege os bens de família de forma indistinta, com exceção das hipóteses elencadas em seus incisos, nas quais não se enquadra a hipótese dos autos, relativa ao bem de grande valor".

Ao defender que a mansão constitui bem de família, Fonseca destacou que a família renuncia ao direito de invocar igual benefício em relação a quaisquer outros imóveis de sua propriedade que vierem a ser identificados durante a execução.

A família foi representada pelo advogado Thiago Hamilton, do escritório Deneszczuk Antônio Sociedade de Advogados.

2221458-94.2019.8.26.0000




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 26 de fevereiro de 2020, 12h46

Comentários de leitores

4 comentários

as razoes dos juros elevados no brasil

Vinicius Maciel (Advogado Autônomo)

ta ai a uma das razoes dos juros elevados no brasil. todo favor ao devedor e nada ao credor

Certíssima a decisão

LunaLuchetta (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Se o Legislador não fez diferença entre casa simples e mansão, não cabe ao Judiciário fazê-la, legislando complementarmente, alterando o texto legal.
Cada um na sua função: chega de "legislação" pelo Judiciário, que chamam de jurisprudência e eu de "invencionices". Cumpram seu papel de julgar sem "inventar".

Se for um banco o credor bem feito!

André Novais (Vendedor)

Se o credor for um banco desses com lucros trimestrais bilionários eu acho e pouco. Kkkkkk

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/03/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.