Consultor Jurídico

Previsão em edital

Avaliação de fenótipo pode excluir candidato autodeclarado pardo

Retornar ao texto

Comentários de leitores

2 comentários

O Jogo do Bicho é mais honesto que a Lei de Cotas

rcanella (Funcionário público)

Em primeiro lugar, não existem raça negra, parda, ariana ou amarela, só há a raça humana. Mas aqueles que querem nos dividir em raças, pasmem, são justamente os que dizem querer combater o racismo. Assim como hoje nos envergonhamos de termos sido um dos últimos países a abolir a escravidão, daqui a décadas a vergonha será por termos sido racistas ao contrário, prejudicando milhões de cidadãos que não tiveram a sorte, no caso das cotas, de possuir mais melanina na pele; pessoas cujas chances de ter uma carreira pública foram drasticamente reduzidas pela famigerada Lei de Cotas. Paradoxalmente, hoje os que defendem essa excrescência não respeitam um dos principais artigos dessa lei, aquele que diz: “Será negro, ou pardo, aquele que assim se declarar”. Ora, se o cara se declarou pardo, quem é você cara pálida Ministro do TST pra dizer o contrário - o que está escrito na lei não vale? - Então, vá aprender com os bicheiros a respeitar regras autoexpedidas. Esquerdocratas não admitem livremente o exercício do Direito, seus defensores sempre usam dois pesos e duas medidas, são a representação mais fiel do princípio antiético de que o peso da lei é para os outros, mas seus benefícios e garantias somente para eles próprios.

Sem a avaliação do fenótipo vira circo

Paulo H. (Advogado Autônomo)

É incrível que o TRT-1 tenha invalidado a verificação do fenótipo. Sem ela qualquer loiro de olhos azuis pode se declarar preto ou pardo e pronto. Está valendo. Que dificuldade o TRT-1 teve para entender essa obviedade?

Comentar

Comentários encerrados em 28/02/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.