Consultor Jurídico

Notícias

TV ConJur

Procuradores da República são despreparados para o cargo, diz Lula.

Concursos públicos mostram que o candidato a um cargo sabe passar em concursos, mas não afere a aptidão para um representante do Ministério Público decidir o destino de pessoas. Muito menos confere autoridade para o agente violar o direito das pessoas para satisfazer interesses mesquinhos, pessoais. Essa é a conclusão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em entrevista à TV ConJur. A pergunta foi sobre a qualificação dos procuradores da República de Curitiba, que o acusaram sem provas, segundo o petista.

O ex-presidente fala da necessidade de controle, o que fez do Conselho Nacional do Ministério Público uma oportunidade perdida, já que a maioria dos seus membros é do próprio MP. Lula diz que vai discutir com a sociedade brasileira esse tipo de distorção, inclusive nas próximas campanhas eleitorais.

Esta é a segunda parte da entrevista, em vídeo. Nos próximos dias, novos blocos continuarão mostrando o que o mais famoso réu da República pensa a respeito dos processos que enfrenta.

Clique aqui e leia a íntegra da entrevista, e veja o vídeo abaixo:

Revista Consultor Jurídico, 7 de fevereiro de 2020, 15h14

Comentários de leitores

11 comentários

Nota da Redação - comentário ofensivo Comentário editado

Carlos Augusto Tavares (Técnico de Informática)

Comentário ofensivo removido por violar a política do site.

Responder

Cunha Livre

Vercingetórix (Advogado Autônomo - Civil)

Quando o CONJUR irá entrevistar o Eduardo Cunha?

Parece que ele preenche todos os requisitos para tal privilégio.

Responder

Excesso de ismos

olhovivo (Outros)

Vedetismo, egocentrismo, narcisismo, infantilismo corporativismo doentio e outros ismos são características de significativa parte dos integrantes principalmente do MPF, isso é inegável, embora não se possa generalizar. Essas características levam 'a falta de empatia, o que explica as denúncias de baciadas, o linchamento moral do acusado antes de sequer iniciada a ação, os PowerPoints, a pilhéria em face da morte de uma criança de 7 anos, a tentativa de desmoralizar tribunais avessos aos seus modus operandi, o propósito de lucrar em função da fama angariada sobre o cadáver moral de outrem... e por aí vai. Vai cavando o próprio buraco.

Responder

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/02/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.