Consultor Jurídico

Joio e trigo

Barrado, advogado peticiona para "exmo. sr. dr. guarda" do fórum

Por 

Com 20 anos de atuação na Comarca de Bauru, o advogado João Carlos de Almeida Prado Piccino foi barrado no fórum da cidade do interior paulista. Na ocasião, passou por detector de metais e revista íntima, mas não conseguir entrar por ter esquecido sua carteira da OAB.

Barrado no fórum, advogado escreve petição dirigida ao guarda do órgão
Reprodução

Mesmo após a confirmação de outros funcionários de que advogava rotineiramente ali, o guarda do local não permitiu a entrada dele. Ao ouvir pedidos para que verificasse seu nome e inscrição nos registros da Ordem, o segurança se limitou a dizer que não era obrigado e não arredou pé de suas convicções.

Fato consumado. O impedimento se deu. Ao lidar com a situação, o advogado decidiu dirigir uma petição diretamente ao ‘excelentíssimo senhor doutor guarda da portaria do Fórum de Bauru-SP’.

Nas seis páginas do documento, o advogado narra todo o episódio que culminou no dissabor de ser impedido de trabalhar e trata da falta de razoabilidade do profissional de segurança.

O profissional também cita o poder investido ao guarda de separar o joio [advogados] do trigo [juízes e promotores]. “Nada obstante a natureza objetiva do texto supra transcrito, forçoso é concluir que como qualquer regra, esta se demonstra passível de eventual exceção nos casos em que constatada a razoabilidade da medida, como no caso da cumulação entre as circunstâncias da força-maior e da boa-fé: a primeira a justificar eventual extravio do documento, apresentando-se a segunda ligada à regularidade da inscrição do profissional junto aos quadros da OAB”, diz trecho do documento.

Por fim, o advogado pede que o guarda pense no episódio e evite tratar profissionais da advocacia de forma “degradante”. Ele lembra que juízes, promotores e serventuários não são sumariamente barrados ao esquecerem sua carteira funcional e lembra que todos envolvidos no funcionamento de um fórum trabalham em prol da justiça.

Também assina a petição o advogado Douglas Lima Goulart, do escritório Lima Goulart e Lagonegro.

Clique aqui para ler a petição

Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 6 de fevereiro de 2020, 19h40

Comentários de leitores

7 comentários

Fleuma britânica do colega

Riobaldo (Advogado Autônomo - Civil)

Admirável, mas de todo questionável, a impávida fleuma do colega, de se dar ao trabalho de aplicar uma lição de cultura republicana e vida ia como resposta a conduta truculenta e descabida do miliciano fardado. Vivemos tempos distopicos. O fato lembra Macunaíma, personagem de Oswald de Andrade, quando discorria acerca do caráter nacional da era getuliana: vivemos num tempo em que o urubu de baixo caga no de cima...A toda evidência, a figura fardada deve ter recorrido 'ex- ofício ' ao maior responsável pela portaria fascista de exigir carteira de identidade, mormente da OAB, num espaço público como deveria ser as instalações do fórum.

Meus cumprimentos!

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Meus cumprimentos ao Dr. João Carlos de Almeida Prado Piccino.
Como um jurista e "gentleman" conseguiu demonstrar o equívoco do "gerente de segurança do Fórum".
Oxalá todos os advogados tivessem a inteligência e o "fino trato" do nobre jurista.

Atitude exemplar, justa e perfeita

Luiz Carlos de Oliveira Cesar Zubcov (Advogado Autônomo)

Lamentável essa rotina de desarmonia social provocada no exercício das atividades públicas.
Infelizmente esses pequenos eventos significam muito quando se respira o ar rarefeito de uma tirania estatal, afinal isso é o reflexo da espúria prevalência do Estado no permanente embate com os legítimos interesses da sociedade.
São raros os profissionais que se encorajam em adotar atitudes dessa natureza que nada mais é que denunciar destemidamente os abusos do poder público.
Parabéns doutor João Carlos de Almeida Prado Piccino, postura modelar e que deve ser seguida por todos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/02/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.