Consultor Jurídico

Banca no alvo

Polícia Federal mira escritório de advocacia por suposta emissão de notas fiscais frias

A Polícia Federal iniciou na manhã desta terça-feira (4/2) operação para investigar um escritório de advocacia que supostamente teria emitido notas fiscais frias e repassado dinheiro em espécie para o Consórcio Soma. 

Ações da PF nesta terça (4/2) miram escritório de advocacia em São Paulo

Batizada de “operação chorume”, sétima fase da “operação descarte”, a PF também apura se o consórcio, que foi responsável por serviços de limpeza urbana em São Paulo, teria obstruído as fiscalizações da Receita Federal em 2017 por meio de pagamento de R$ 3 milhões. 

Ao todo, foram emitidos 21 mandados de busca na capital paulista, além de Barueri, Francisco Morato, Santos, Parnaíba, Santana, São José do Rio Preto, Itajaí (SC), Brasília (DF) e Cidade Ocidental (GO). 

Desdobramento da “lava jato”, a “operação descarte” teve início em março de 2018. De partida, a PF mirou o consórcio Soma. As ações foram impulsionadas pelas delações do doleiro Alberto Youssef e do empresário Leonardo Meirelles. 

De acordo com a PF, o consórcio adquiriu botas, sapatênis, uniformes, entre outros equipamentos, para lavar R$ 200 milhões. A investigação também aponta uma suposta compra de R$ 14,27 milhões em sacos de lixo entre 2014 e 2016. 

A PF diz que um escritório de advocacia em São Paulo supostamente seria responsável por gerenciar a emissão de notas frias de fornecimento de matéria-prima e prestação de serviços para o consórcio Soma. 

Até o momento, afirma a investigação, foram identificadas três pessoas que entregariam dinheiro para a banca. O valor seria repassado a clientes do escritório.

Informações obtidas pela ConJur revelam que a diligência da Polícia Federal, ao fim e ao cabo, restou infrutífera.

Texto atualizado às 11h45 desta terça-feira (4/2).

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 4 de fevereiro de 2020, 10h51

Comentários de leitores

1 comentário

Mestre dos mestres

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Quando algo toma seu tempo, você é lento. Quando algo toma o tempo do dono do escritório, é porque ele é meticuloso. Quando você não faz, é desidioso. Quando o titular do escritório não faz, é porque está assoberbado.

Comentários encerrados em 12/02/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.