Consultor Jurídico

Notícias

Garantia constitucional

Por falta de indícios de crime, Gilmar Mendes tranca inquérito contra advogado

Por 

O advogado é inviolável por seus atos no exercício da profissão. E a inviolabilidade só pode ser relativizada quando o advogado é partícipe de crime investigado. Porém, a flexibilização dessa garantia apenas é possível quando a participação dele no delito for detalhadamente demonstrada.

Gilmar Mendes disse que advocacia é função essencial para a Justiça
Nelson Jr. / SCO STF

Com esse entendimento, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, concedeu Habeas Corpus de ofício para trancar um inquérito policial em relação a um advogado.

O advogado presta serviços a uma empreiteira envolvida na “lava jato” há mais de 25 anos. No começo da operação, ele foi acionado pela empresa para verificar a legalidade de certos procedimentos de órgãos públicos na operação. Para isso, fez uma requisição formal ao Ministério da Justiça de informações e certidões relativas à companhia. A pasta negou o pedido. Contudo, o advogado impetrou mandado de segurança, e o Superior Tribunal de Justiça ordenou a expedição dos documentos.

A Polícia Federal abriu inquérito contra o advogado. A tese da corporação é que ele foi contratado pela empreiteira por sua proximidade com o então ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, com o objetivo de obstruir as investigações.

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, representado pelos advogados Lenio Streck e Fernando Augusto Fernandes, foi ao Supremo em defesa do profissional.

Em sua decisão, Gilmar afirmou que o investigado “foi contratado na qualidade de advogado, tendo atuado no espectro do livre exercício da advocacia, sem indícios suficientes de prática de qualquer conduta típica, especialmente de obstrução de justiça, que justifique a manutenção das investigações em seu desfavor”.

O ministro apontou que o advogado exerce função essencial à administração da Justiça e é inviolável pelos atos praticados no exercício da profissão, como estabelece o artigo 133 da Constituição. E essa garantia só pode ser afastada se houver descrição pormenorizada da participação do advogado em crime — o que não ocorreu no caso.

Gilmar também citou que não há hierarquia entre advogados, magistrados e membros do Ministério Público. “A advocacia representa, portanto, um múnus público, uma função que deve ser respeitada em todas as suas prerrogativas”, disse o ministro ao determinar o trancamento do inquérito.

Advocacia forte
Lenio Streck e Fernando Fernandes, que representaram a OAB na defesa do advogado, afirmaram à ConJur que a decisão reforça a importância da advocacia.

“Para exercer a advocacia é preciso, antes de tudo, ter coragem. Parafraseando Sobral Pinto, advogar não é para fracos ou covardes. A vida é dura nos fóruns e tribunais. E na polícia. E para isso, para que o advogado possa ‘ir fundo’, como se diz no jargão popular, é preciso ter um Judiciário forte, que saiba dar guarida aos reclamos do advogado que tem sua atuação vilipendiada por abusos. Prerrogativas: eis a palavra que cala fundo! O ministro Gilmar Mendes — que julgou o caso concreto — compreendeu, e compreende muito bem a independência da advocacia. Sabe ler o artigo 133. Sempre soube. E isso engrandece o STF e o Judiciário como instituição”, avaliou Lenio.

“Somente com uma advocacia destemida se mantém um Judiciário independente. O ministro Gilmar Mendes vem consolidando a posição do Supremo quanto à importância do artigo 133 da Constituição, valorizando o múnus público da advocacia”, opinou Fernandes.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 4 de fevereiro de 2020, 18h25

Comentários de leitores

9 comentários

daniel (Outros - Administrativa)

alvarojr (Advogado Autônomo - Consumidor)

Se você é capaz de fazer esse tipo de suposição a meu respeito apenas pelo meu comentário em defesa das prerrogativas do advogado isso é, sem sombra de dúvida, reflexo do seu (des)conhecimento sobre o assunto em debate, da mediocridade do seu pensamento, da sua falta de compreensão...
Aos fatos:
"O advogado presta serviços a uma empreiteira envolvida na 'lava jato' há mais de 25 anos. No começo da operação, ele foi acionado pela empresa para verificar a legalidade de certos procedimentos de órgãos públicos na operação. Para isso, fez uma requisição formal ao Ministério da Justiça de informações e certidões relativas à companhia. A pasta negou o pedido. Contudo, o advogado impetrou mandado de segurança, e o Superior Tribunal de Justiça ordenou a expedição dos documentos.
A Polícia Federal abriu inquérito contra o advogado. A tese da corporação é que ele foi contratado pela empreiteira por sua proximidade com o então ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, com o objetivo de obstruir as investigações."
Ora, o advogado não fez nada além de advogar e de forma exitosa. Se o mandado de segurança não tivesse sido concedido, por acaso mesmo assim o inquérito teria sido instaurado?
E já que foi concedido o mandado de segurança, por que apenas o advogado foi investigado? Por que não investigar também os ministros do STJ que julgaram o mandado de segurança?
O advogado não pode ser punido por fazer o seu trabalho.
Álvaro Paulino César Júnior
OAB/MG 123.168

O que está no inquérito?

Preacher (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Difícil opinar sem a matéria veicular a versão da autoridade coatora. A julgar APENAS pelo que esses advogados dizem e pelas decisões do ministro Gilmar Mendes, os policiais e membros do MPF integrantes da operação lava-jato estão fazendo um péssimo trabalho e deveriam parar de perseguir políticos, advogados e empresários.

Irrepreensível

JCCM (Delegado de Polícia Estadual)

Irrepreensível a decisão do Ministro.

Difícil de acreditar, mas, tem muitos que se dizem jurista e aplaudem aberrações como está investigação sem propósito.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/02/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.