Consultor Jurídico

Mais celeridade, menos custos

Com seis vetos, presidente Jair Bolsonaro sanciona nova Lei de Falências

Com vetos, o presidente Jair Bolsonaro sancionou, na quinta-feira (24/12), a nova Lei de Falências (Lei 14.112/2020). A ideia dos autores do projeto é dar mais agilidade aos processos de recuperação judicial.

Senado aprovou texto do projeto de lei em 25 de novembro
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Ao todo, foram seis vetos feitos pelo presidente e que ainda passarão pelo crivo do Congresso. Um deles foi do artigo que permite a suspensão das execuções trabalhistas contra responsável, subsidiário ou solidário, até a homologação do plano de recuperação judicial ou a convolação dela em falência.

A justificativa do veto, segundo manifestação do Ministério da Economia, reconhece o mérito da proposta, mas avalia que ela contraria o interesse público por causar insegurança jurídica ao estar em descompasso com a essência do arcabouço normativo brasileiro quanto à priorização dos créditos de natureza trabalhista e por acidentes de trabalho.

Também foram vetados parcialmente dispositivos que tratam da parte tributária e de cobrança, por violação de regras orçamentárias ou do Código Tributário Nacional.

Uma das mudanças apresentadas pelo nova Lei de Falências é o aumento do prazo de parcelamento dos débitos com a União das empresas em recuperação judicial, de sete para dez anos.

Além disso, regulamenta os empréstimos tomados por essas empresas, uma vez que os novos financiamentos terão preferência de pagamento entre os créditos contraídos no processo de recuperação. Outra novidade: os bens pessoais dos devedores poderão ser usados como garantia, desde que haja autorização judicial.

Lei elogiada
A nova Lei de Falências traz diversos pontos positivos, como a possibilidade de a empresa negociar com credores antes de entrar em recuperação judicial e poder oferecer garantias adicionais para obter financiamento. A opinião é do ministro do Superior Tribunal de Justiça Ricardo Villas Bôas Cueva.

Para o advogado Felipe Bayma, sócio proprietário do escritório Bayma e Fernandes Advogados Associados, "o texto é muito importante para o empresariado brasileiro, sobretudo neste momento de pandemia, permitindo financiamento durante a fase de recuperação judicial, ampliação do prazo de parcelamento das dívidas tributárias federais e tendo um capítulo que trata exclusivamente da falência no exterior e que dispõe sobre direitos de credores estrangeiros".

Adriana Campos Conrado Zamponi, sócia de Wald, Antunes, Vita, Longo e Blattner Advogados, lembra que o projeto vem sendo debatido por juristas, empresários e políticos desde 2016. "Em 2020, diante da brusca alteração do cenário econômico causada pelo coronavírus, aumentou a necessidade das empresas afetadas pela pandemia de obtenção de instrumentos de recuperação financeira e retomada de atividades, o que impulsionou a tramitação do PL nas Casas Legislativas. De um modo geral, o projeto objetiva a modernização do sistema recuperacional, de forma a torná-lo mais transparente e com melhoraria nas recuperações de crédito, o que, obviamente trará impactos positivos sobre a economia." 

RJ do produtor rural
Para o advogado Roberto Keppler, sócio da Keppler Advogados, a proposta de regulamentação da recuperação judicial do produtor rural seria louvável se contribuísse para a proteção do mesmo. "O que se extrai do projeto é a tentativa de esvaziamento das alternativas existentes hoje, que muito foram construídas por meio da jurisprudência, ou seja, por meio do esforço dos profissionais que militam sobre o tema." Ele diz que "o sentimento é que o projeto desprezou a problemática vital de regulamentação da utilização do socorro judicial pelo produtor rural e tratou de cuidar da proteção ao crédito bancário". 

Já para o advogado Eduardo Diamantino, sócio do Diamantino Advogados, a proposta "incluiu finalmente a possibilidade expressa do produtor rural requerer a sua recuperação judicial". 

Pela proposta, o produtor, para obter o benefício deve comprovar que exerce atividade por no mínimo dois anos, por meio da apresentação da Escrituração Contábil Fiscal (ECF), se pessoa jurídica, pela apresentação de Livro Caixa Digital do Produtor Rural (LCDPR), ou documento similar. Ainda, dispões sobre a possibilidade deste optar pelo plano de recuperação especial similar ao destinado aos microempresários individuais, mas desde que o saldo devedor não ultrapasse o valor de R$ 4,8 milhões. 

"Porém, nem tudo são flores. Isso porque o mesmo projeto visa a alteração da Lei n° 8.929/94 quanto a não sujeição da CPR Física aos efeitos da recuperação judicial. Na emissão da CPR Física, o agricultor recebe dinheiro do investidor e garante pagar de volta com o produto. A medida pode fazer sentido para o agente financiador, mas pode gerar desconforto ao produtor, pois como cumprirá a obrigação em caso da perda de safra?".

Clique aqui para ler a Lei 14.112/2020




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de dezembro de 2020, 13h06

Comentários de leitores

1 comentário

Conciliação do econômico e do jurídico

Professor Luiz Guerra (Advogado Sócio de Escritório - Comercial)

A Lei 14.112/2020, que atualizou a Lei de Recuperação Judicial e Falência, apesar de imperfeita, trouxe consideráveis avanços aos institutos. O Presidente Jair Bolsonaro, ao sancionar a lei, realizou 6 (seis) vetos, a pedido do Ministério da Economia. Embora os vetos descaracterizem um dos pilares da reforma da LRF, é compreensível que o Chefe de Estado vete trechos da lei que impliquem efeitos negativos à economia do país, especialmente em momento tão delicado diante da crise estrutural por que passa a nação com os estragos da Covid 19. Diante do elevado número de desempregados a partir do fechamento de 716 mil empresas em 2020, é razoável que o presidente da República prestigie, em primeiro lugar, a economia do Brasil e os empregados, para, depois, pensar no aperfeiçoamento da LRF. A reforma vem em momento de alta crise na economia e terá vigência a partir do dia 24 de janeiro de 2021 e se tem grande expectativa de que a lei será amplamente utilizada pelos empresários por conta do potencial aumento de pedidos de recuperação judicial no ano vindouro. É tempo de estudarmos a reforma, para bem aplicarmos aos casos em curso e especialmente aos novos processos de recuperação e falência. Mãos à obra na atualização dos temas, de modo que possamos entregar aos nossos alunos, ainda no primeiro semestre de 2021, os Comentários à Lei de Recuperação e Falência Atualizados (Guerra Editora).
Professor Luiz Guerra
CEO do Guerra Advogados

Comentários encerrados em 02/01/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.