Consultor Jurídico

Onde Está, Fica

Suspensa ordem de retirada de indígenas de terra em disputa na Bahia

Por considerar, em análise preliminar, que uma decisão de primeiro grau contraria determinação do Supremo Tribunal Federal, o ministro Ricardo Lewandowski suspendeu reintegração de posse em área localizada em Una (BA), objeto de litígio entre a Comunidade Indígena Tupinambá de Olivença e a Ilhéus Empreendimentos S.A. A decisão foi proferida na reclamação 45.260.

Litígio ocorre entre tupinambás
e um empreendimento imobiliário
no litoral da Bahia
Teixeira News/Divulgação

Segundo a decisão do juízo da Vara Federal Cível e Criminal de Ilhéus, os indígenas teriam prazo de 20 dias para sair da área em disputa, correspondente a cerca de 30 lotes do empreendimento Canto das Águas. Após o vencimento do prazo, foi autorizado, se necessário, o uso de força policial, com acompanhamento da Polícia Federal.

Na Reclamação, a comunidade indígena argumenta que a própria decisão judicial reconhece que não há certeza se a área pertence ao loteamento ou se faz parte da Terra Indígena Tupinambá de Olivença, em processo de homologação. Sustenta, ainda, que a ordem de reintegração viola decisão do ministro Edson Fachin, no recurso extraordinário 1.017.365, que determinou a suspensão nacional dos processos judiciais que tratem de demarcação de áreas indígenas até o final da epidemia da Covid-19 ou até o julgamento final do recurso, com repercussão geral reconhecida.

Em sua decisão, o ministro Lewandowski salientou que, ao determinar a suspensão nacional, o ministro Fachin destacou a necessidade de aplicar o princípio da precaução (artigo 225 da Constituição Federal), pois a manutenção da tramitação de processos, com o risco de determinações de reintegrações de posse, "agravam a situação dos indígenas, que podem se ver, repentinamente, aglomerados em beiras de rodovias, desassistidos e sem condições mínimas de higiene e isolamento para minimizar os riscos de contágio pelo coronavírus".

Lewandowski observou que, apesar da recente descoberta de vacinas contra o coronavírus, que começam a ser aplicadas em outros países, ainda não há previsão de implementação de programa de imunização em larga escala no Brasil que possa mudar o cenário em que foi deferida a liminar por Fachin, "razão pela qual as populações indígenas ainda estão em situação de vulnerabilidade frente à pandemia".

Segundo o relator, no exame preliminar dos autos, típico das medidas de urgência, não é possível acolher a tese do juízo de primeiro grau que indeferiu o pedido de sobrestamento do processo. "Aparentemente, o prosseguimento do feito contraria a decisão de suspensão nacional de processos determinada por esta Corte", afirmou. Com essa fundamentação, o ministro determinou a suspensão dos efeitos da decisão e o trâmite da ação na Vara Federal Cível e Criminal de Ilhéus até o julgamento final da reclamação.

PR/CR//CF

Leia mais:

6/5/2020 - Relator suspende tramitação de processos sobre áreas indígenas até fim da pandemia

 

 

  • RE 1017365
  • Rcl 45260
Com informações da assessoria de imprensa do Supremo Tribunal Federal.



Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 23 de dezembro de 2020, 16h17

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 31/12/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.