Consultor Jurídico

Comentários de leitores

49 comentários

Muito Errado!

D.A.B (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

O Nobre colega errou em chamar de "vossa excelência". Deveria ter dito "Vossa desgracência".

Paciência tem limite sim!

Nada Justifica

Renzo Augusto Mendes Pessoa (Servidor da Secretaria de Segurança Pública)

A falta de polidez e os impropérios por parte do advogado são evidentes e injustificáveis!!! Para fazermos um julgamento justo, devemos assistir ao vídeo na íntegra, pois, quando eu advogava, por várias vezes, presenciei causídicos querendo "ganhar no grito", em total desrespeito à ética e às liturgias processuais!! Não é desejando ser bajulador de magistrado, mas - como isso é fato -, o desrespeito partiu do advogado e não dos Eminentes Desembargadores!! Que a OAB puna exemplarmente o referido advogado - se é que podemos, moralmente falando - chamá-lo assim!!! E outra, para finalizar: as tecnologias empregadas pelos tribunais brasileiros nos processos eletrônicos são as melhores do mundo - vide que o Brasil, salvo engano, é o único país do mundo a adotar o PJE, ressaltando que países como Alemanha, EUA, França e Japão ainda possuem processos 100% físicos.

Paciência tem limites

Guilherme G. Pícolo (Advogado Autônomo - Civil)

Paciência tem limites. O advogado foi tratado com desrespeito e menosprezo evidentes durante a sessão, como se fosse um palhaço, quando na verdade ali estava tentando exercer o seu mister na justa defesa dos direitos de seu cliente.

A falta de polidez e os impropérios, nesse caso, não se justificam, mas se explicam, sim. Inclusive porque talvez a advocacia seja a única categoria profissional cuja entidade de classe, em vez de proteger os seus associados, presta-se a um desfile de egos e vaidades...

Desrespeito com o Advogado

JOSÉ ROBERTO DE NADAI SOUZA (Advogado Assalariado)

A magistratura teria que respeitar o exercício da Advocacia. A fala do Advogado foi ignorada pelo magistrado. Paciência tem limite sim.

Perigo!

BASILIO (Advogado Sócio de Escritório)

No brasil é um perigo ter razão.
Qdo chega um cliente no escritório e eu vejo que ele tem razao, declino do caso!
é um país de pilantras!

Parabéns!!!

PH Sabino (Bacharel - Criminal)

Esse advogado representou o desejo de muitos advogados, têm pessoas que pensam que advogar é fácil!!! O advogado, pra quem não sabe, muitas das vezes tem que militar contra vários obstáculos dentro do exercício de sua função, um deles é o próprio cliente, muitos deles são inimigos, outro é o Parquet, que opina sempre contrário aos nossos pedidos e, por derradeiro, o magistrado, que sempre quer dar "divisada" no advogado, se colocando num patamar superior e impondo com parcialidade à sua vontade e se inclinando para o que opina o seu amigo do Ministério Público... Seria hipocrisia algum advogado vir aqui e dizer que nunca teve a vontade de dizer o mesmo!!!

Mau exemplo vem de cima

Jean ODonnell (Funcionário público)

Shhh!! Silêncio! Ouço sussurros do Planalto Central... alguém dentro do Supremo Moderador Federal admoestando o advogado e exigindo observar a liturgia! Logo depois outros sons abafados... "integrante de cerimonial não se dirige a Ministro do Supremo". Já descendo a serra de Petrópolis, outro semideus no TJRJ corrige o pobre advogado: "doutor" eu já fui! É Desembargador!
Pois não sua excrescência, me perdoe...

Sempre no reinado!

Brazunanm (Administrador)

Não sei porque ganham mais que advogado, ou melhor! Que professor! Não deveriam ganhar o que ganham e sim um professor ganhar o que eles ganham! Julgam mal, acham que estão acima de todos,são corporativistas e não respeitam os envolvidos! Enfim, a justiça sempre levantando a venda! Dependendo de quem fala, coloca a venda e finge que não escutou! Agora , se for alguém o qual não tem poder,dinheiro ou algo a oferecer! E muito bem ouvido e tenta sempre menosprezar ou humilhar! Isso e uma vergonha!!

Todo apoio ao colega advogado

João Afonso Corrêa Advogado (Advogado Autônomo)

A atual "nobreza " , composta por juízes e promotores, acreditam serem seres superiores aos demais, e não se esforçam para esconder tal ideia. Quem age como o desembargador é escória e deve ser tratada como tal.
Espero que a OAB tenha consciência disto e não puna o advogado, pelo contrário, repudie a fala do desembargador.

Nova ditadura militar - ii

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

e revelou que, na sua hierarquia de valores, a defesa do status quo sobrepunha-se à defesa da ordem jurídica.
A tese de que o país se encontrava à beira de uma ruptura da legalidade, cara a Povina Cavalcanti, já havia sido enunciada por Temístocles Cavalcanti e referendada pelo Conselho Federal na moção de agosto de 1962. Adotando essa postura alarmista, muito antes dos episódios que causaram o agravamento das tensões sociais no país (como a Revolta dos Sargentos, a campanha das Reformas de Base e o comício da Central do Brasil), o órgão contribuiu para a disseminação do clima de temor que antecedeu e legitimou a deposição de Goulart" (https://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/04/a-oab-apoiou-o-golpe-de-1964-quando-se-arrependeu-ja-era-tarde-demais.html).

Democracia, só se for a minha.

NiloNS (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Acho fantástico como pessoas esperam duas coisas da advocacia:

1 - submissão combinada com subserviência oriunda dos advogados aos “aprovados em concurso público”. Se consideram ungidos, longa manus da ideia maravilhosa do estado protetor de todos, e;
2 - adesismo às teses defendidas pelo governo de turno da OAB ou dos “defensores da democracia onde só eu mando”.

Desrespeitar advogados - em audiência, nos julgados ou na sucumbência - já virou lugar comum, mas os instrumentos do estado CONTINUAM achando que democracia que vale é só a deles.

Nova ditadura militar - i

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

Foi com comportamentos como esse, do advogado, que ofendeu um Desembargador Trabalhista, que iremos a um novo Regime Militar.
Ninguém respeita ninguém!

"A OAB apoiou o golpe de 1964. Quando se arrependeu, já era tarde demais"

Ao transmitir a presidência da Ordem para Povina Cavalcanti, em 11 de agosto de 1962, Prado Kelly proferiu discurso no qual enfatizava a delicada situação política do país, condenando a instauração, à revelia do povo, do regime parlamentarista.
O regime parlamentarista foi destituído em 1963, após ser derrotado nas urnas, por meio de um plebiscito nacional, por cerca de 80% do eleitorado. Mas a situação política ainda não estava nem perto de encontrar a estabilidade.
Depois desta decisão, o presidente Povina Cavalcanti obteve do Conselho a permissão para convocar sessões extraordinárias circunstanciais, com a finalidade de discutir a evolução da crise política nacional. A OAB temia a perda das garantias constitucionais, caso houvesse uma infiltração comunista no país.
O historiador Marco Aurélio Vanucchi Leme de Mattos, em Contra as reformas e o comunismo: a atuação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no governo Goulart, defende a ideia de que a Ordem dos Advogados foi uma importante força influenciadora da opinião pública:
No início da década de 1960, o Conselho Federal da OAB atuou diretamente na arena política. Sua postura em defesa da ordem jurídica não era neutra em relação às lutas que dividiam o país. A manutenção estrita da ordem jurídica impedia a expansão da cidadania política e social. O organismo, desde meados de 1962, aderiu à campanha que, denunciando a infiltração comunista no Brasil, preparou a deposição de Goulart. O apoio inequívoco do Conselho Federal ao golpe de Estado traiu o legalismo do órgão...

Palavrão

Élison Vieira (Advogado Associado a Escritório - Criminal)

Na atualidade o mau exemplo vem de cima. Presidente, Desembargador. Com a pandemia muita gente quer ganhar seu rico salário e humilhar os advogados. Dá nisso. Uma hora alguém estoura.

Felipe Lombardi

Felipe Lombardi (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

O Ilustríssimo Colega tinha que ser Presidente da OAB Nacional. Com toda certeza teria meu voto e de vários colegas.

Concordo

Rejane G. Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Concordo

Eleições Diretas

Guilherme G. Pícolo (Advogado Autônomo - Civil)

Aliás, passou do tempo das "Diretas Já" na eleição do Conselho Federal da Ordem

Excessos

Kelsen Barroso (Advogado Autônomo - Administrativa)

A postura do desembargador, com a colega de turma (que certamente não precisa de lição sobre o que levar em conta em seus votos) e com o advogado, sobre o qual, ainda mais nesses tempos, há opressão, até tecnológica (pois cala-se a sua voz com um clique), foi determinante para o que se seguiu. Respeito acima de tudo, mas de parte a parte, sempre. O advogado, achincalhado, não se conteve. Mas há um nexo de causalidade muito claro no ocorrido. Alguma dúvida sobre quem agiu, primeiro, com desrespeito?

Uma sina perversa

Lourenço Augusto Mello Dias (Advogado Assalariado - Civil)

Tive a infelicidade de advogar na área trabalhista quando um dos magistrados que aparece no vídeo atuava em Vara na região onde trabalho até hoje. Esse senhor usava um sistema na audiência que consistia em anotar numa folha de papel a juntada da contestação, a ausência de conciliação das partes e o encerramento da instrução. Ele tinha por norma, simplesmente, não ouvir nenhuma prova oral. Cheguei a assistir vários colegas perderem a cabeça como o rapaz do vídeo, ante o flagrante cerceamento de defesa. Soube à época inclusive, já lá se vão mais de trinta anos, que esse magistrado colecionava perto de 400 representações na OAB... Pelo jeito, sem qualquer resultado pratico, já que continua na magistratura e sempre menosprezando o trabalho dos operadores do Direito. É uma lástima...

Quem procura, acha!!

Debora Luane Procopio Sales (Advogado Associado a Escritório - Civil)

Declaro meu total apoio ao colega que, como tantos outros são diariamente desrespeitados por estes senhores que trabalham com ódio do mundo mesmo percebendo vencimentos de deixar qualquer brasileiro rindo à toda em seu lugar.
Sem generalizar porque muitos desembargadores têm vergonha desse tipo de colega que acha que é melhor que os outros. Típico comportamento de quem em uma praia ofende e dá carteirada em gcm.
O Covid está aí pra provar que não há ninguém melhor que ninguém. Está deixando ricos e poderosos de joelhos tanto quanto o pobre anônimo. O poderoso que pega covid será enterrado sem honras assim como o pobre anônimo.
Não compactuo com as palavras utilizadas, porém ele foi provocado e desrespeitado no exercício de sua função. O tiozão riu como se estivesse diante de um palhaço e receberam resposta à altura do desrespeito desferido.
Se o advogado tiver de ser punido pela OAB, que sejam os desembargadores punidos pelo presidente do TRT/MG, bem como todos os demais que agiram de maneira semelhante durante audiências virtuais.

Melhor comentário

Sueli 2016 (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Concordo com seu comentário. É perfeitamente compreensível a atitude do colega advogado, apesar de ter usado termos chulos. Foi um desabafo que representa o que sentimos muitas vezes diante de tantas injustiças patrocinadas pelo Poder Judiciário.

Comentar

Comentários encerrados em 26/12/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.