Consultor Jurídico

Improbidade administrativa

Salário de condenados a ressarcir erário público é impenhorável, diz STJ

Por 

A penhora de valores na execução de sentença condenatória por improbidade administrativa que determina o ressarcimento ao erário não deve descuidar das normas processuais que colocam como impenhoráveis o salário e vencimentos.

Segundo ministro Napoleão, jurisprudência do STJ indica impenhorabilidade de verbas com caráter salarial em caso de improbidade
Lucas Pricken

Com esse entendimento, a 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça negou provimento a pedido do Ministério Público Federal, que visava reformar decisão de segundo grau que indeferiu penhora de 30% da aposentadoria de um condenado por improbidade administrativa.

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região invalidou o bloqueio dada a natureza alimentar dos valores e considerada a impenhorabilidade de tais verbas, conforme o artigo 649, inciso IV do Código de Processo Civil.

Para o MPF, a impenhorabilidade deve ser afastada em razão do parágrafo 3º do artigo 14 da Lei 4.717/1965, que regula a ação popular. A norma diz que "quando o réu condenado perceber dos cofres públicos, a execução far-se-á por desconto em folha até o integral ressarcimento do dano causado, se assim mais convier ao interesse público".

Relator, o ministro Napoleão Nunes Maia aplicou precedente da 1ª Seção em recursos repetitivos segundo o qual o bloqueio de ativos financeiros em nome do executado, por meio do Sistema BacenJud, não deve descuidar do disposto no artigo 649, IV do CPC.

"Ainda que não se queira aplicar o aludido julgado repetitivo relatado pelo douto ministro Luiz Fux, sob a justificativa de que a matéria de fundo trataria de Execução Fiscal, há muitos ilustrativos desta Corte Superior para casos específicos de improbidade administrativa, nos quais se excluiu a penhorabilidade de verbas com caráter salarial", acrescentou.

Assim, inviável autorizar a penhora de valores decorrentes da aposentadoria para ressarcir o erário público em execução de sentença de improbidade administrativa.

Clique aqui para ler o acórdão
REsp 1.456.881




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 11 de dezembro de 2020, 17h31

Comentários de leitores

6 comentários

Interesse público

Batista de Melo (Advogado Sócio de Escritório - Consumidor)

Erário público...redundância
Se tem duas leis em aparente conflito...prevalece o interesse público s o privado

Volta à origem

Lei, Ordem, Progresso (Oficial da Polícia Militar)

Que tal parar com esse negócio de o judiciário a cada momento "interpretar" a lei? Lei é expressão da vontade popular. Lei deve ser cumprida. Se a lei diz que é impenhorável, está dito. Não cabe interpretação quando a lei é absurdamente clara. Mude-se a lei. De pouco em pouco, com cada juiz interpretando a lei segundo seu modo e ideologia, faz - se um país sem lei, sem segurança, sem ordem. Império da lei. Ou teremos barbárie sob a luz da própria lei.

A farra tá liberada!

Cesar Bosco (Funcionário público)

PA-RA-BÉNS!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/12/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.