Consultor Jurídico

Casos polêmicos

Professor e promotor Roberto Senise Lisboa morre aos 54 anos em São Paulo

Roberto Senise Lisboa era promotor e livre docente em Direito Civil pela USP
Reprodução/Youtube

O promotor afastado e professor de Direito Roberto Senise Lisboa, 54, morreu nesta quarta-feira (2/11), em São Paulo.

Senise era livre-docente em Direito Civil pela USP, professor de Direito Internacional da PUC-SP e foi durante cinco anos coordenador do Curso de Direito e do Mestrado em Direito da FMU (Faculdades Metropolitanas Unidas), também em São Paulo.

Com intensa vida acadêmica, ocupava a cadeira de número 67 da Academia Paulista de Direito. Em sua carreira no Ministério Público, Senise atuou em uma série de casos polêmicos como a tentativa de manter o time da Portuguesa na 1ª divisão do Campeonato Brasileiro em 2014.

Também chefiou o inquérito civil aberto contra a clínica de fertilização do médico Roger Abdemassih, acusado de ter praticado uma série de estupros.

Em 2015, foi alvo de denúncia apresentada pelo Ministério Público, acolhida por unanimidade em agosto de 2016, de ter recebido R$ 428 mil para beneficiar as Casas Bahia em uma investigação sobre práticas abusivas contra os consumidores.

Após o oferecimento da denúncia, o advogado de Lisboa, Vinicius de Barros Figueiredo, alegou que a peça não explicava claramente quais seriam as condutas irregulares do cliente e negou que ele tenha favorecido à rede de varejo.

Como as investigações partiram de uma denúncia da ex-mulher do promotor, a defesa argumentou que o casal passou por um divórcio litigioso, portanto, ela não seria uma testemunha confiável.

Senise foi afastado desde o início das investigações. Em setembro deste ano, pedido de vista do desembargador Xavier de Aquino adiou o julgamento de um requerimento de suspensão da ação penal contra o promotor. Também são réus no processo o ex-diretor jurídico das Casas Bahia Alexandre Machado Guarita e o advogado Vladmir Oliveira da Silveira.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 2 de dezembro de 2020, 19h13

Comentários de leitores

9 comentários

Do que?

Eloisa Nascimento (Advogado Autônomo - Civil)

Por que não divulgar a causa da morte?

Causa da morte

Alessandro Nunes Chagas (Outros)

Ele faleceu de parada cardíaca.

Par. Un. Do Art. 1.° c/c Art. 2° c/c SS 2° do Art. 5°

balai (Advogado Autônomo - Civil)

O jurista honesto e competente sabe das incongruências do nosso pretenso ordenamento jurídico que ao mesmo tempo estabelece critério democrático para a constituição dos órgãos das instituições que representam os detentores do poder originário, para depois isentar os órgãos de qualquer obrigação derivada do sistema democrático republicano, garantindo por uma meritocracia questionável-haja vista que após período probatório, os orgaos do judiciario adquirem no minimo a estabilidade podendo garantir a vitaliciedade sem ter que prestar contas ao patrão (O povo).
SEM JUDICIÁRIO INDEPENDENTE E ELEITO PELO VOTO DOS CIDADÃOS NUNCA HAVERÁ DEMOCRACIA NEM O FIM DA ROUBALHEIRA DISTORÇÕES E CORRUPÇÃO.

Ensinou, mas não aprendeu...

tmcastro (Odontólogo)

Era brilhante, mas a ganância sujou sua biografia. Que Deus o receba para continuar seu caminho evolutivo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/12/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.