Consultor Jurídico

ADI no Supremo

PGR contesta normas do TCE-MA sobre subsídio e auxílio-saúde de conselheiros

O procurador-Geral da República, Augusto Aras, ajuizou no Supremo Tribunal Federal a ADI 6.519, contra as Resoluções 311/2019 e 287/2018 do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão, que tratam do subsídio mensal e do auxílio-saúde dos conselheiros e conselheiros substitutos e dos procuradores do Ministério Público junto ao órgão. A relatora da ação é a ministra Rosa Weber.

O Tribunal de Contas do Maranhão
Divulgação

Segundo Aras, a Resolução 311/2019 tomou por base normas editadas pela União para estabelecer a retribuição do cargo de conselheiro em R$ 35.462,28, equivalente a 90,25% da remuneração dos ministros do STF. A seu ver, a medida viola o artigo 37, inciso XIII, da Constituição Federal, que proíbe o atrelamento remuneratório, para evitar que a alteração de uma carreira tenha repercussão automática em outra.

Ele aponta ainda que, de acordo com a jurisprudência do STF, o estabelecimento de equiparação ou vinculação entre servidores (civis ou militares) estaduais e federais é contrário ao princípio federativo, pois o aumento de remuneração concedido aos servidores federais por lei da União resultará em majoração de despesa para os estados.

Em relação à Resolução 287/2018, o procurador-geral explica que ela conferiu aos conselheiros, aos conselheiros substitutos e aos procuradores do TCE-MA, inclusive os inativos, o direito ao recebimento de parcela mensal a título de auxílio-saúde, calculada a partir da aplicação de percentuais progressivos de 3,5% a 10% do subsídio, de acordo com a faixa etária.

Ele alega que a Constituição Federal (artigo 39, parágrafo 4º) proíbe acréscimo de gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação e outras espécies remuneratórias aos agentes públicos à parcela única do regime de subsídio. Com informações da assessoria de imprensa do STF.

ADI 6.519




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 23 de agosto de 2020, 15h56

Comentários de leitores

1 comentário

Auxílio saúde imoral

Advogado militante (Advogado Assalariado - Civil)

Esses servidores públicos ganham mais de 30 mil reais por mês, e ainda querem auxílio saúde no valor de 10% do subsídio. É um absurdo.
Só no Brasil a sociedade os paga tanto tanto privilégio para esses servidores públicos.
Chega de farra contra o erário.

Comentários encerrados em 31/08/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.