Consultor Jurídico

Racionalidade jurídica

Gilmar vota pela manutenção do prazo na prestação das contas dos partidos

Por 

Relator da ADI 6.395, Gilmar Mendes votou pela manutenção dos prazos na prestação de contas partidárias na Justiça Eleitoral
José Cruz/Agência Brasil

A imposição de prazos pela autoridade que conduz o processo de tomada de contas configura previsão a conferir racionalidade ao sistema. Com base nesse entendimento, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, votou contra a ação direta de inconstitucionalidade ajuizada por 17 partidos que visa suavizar o controle do uso de cerca de R$ 3 bilhões dos fundos eleitoral e partidário.

Na ADI, os partidos pedem a declaração de inconstitucionalidade de dispositivos de duas resoluções do TSE: o artigo 36, parágrafo 11 da Resolução TSE n° 23.604/2019 e o artigo 28, IV da Resolução TSE nº 21.841/2004.

O julgamento da ADI ocorre no plenário virtual e os ministros têm até a próxima sexta-feira (28/8) para decidir se acompanham ou se abrem divergência em relação ao voto do ministro Gilmar Mendes, relator da matéria.

Na prática, a ação pretende conceder a partidos o direito de se manifestar sobre inconsistências nos gastos em qualquer fase do processo, até o trânsito em julgado.

Assinaram a ação o DEM, MDB, PSB, PDT, PL, PP, PC do B, PSD, PSDB, PT, Cidadania, PSol, Solidariedade, PTB, PSL, Republicanos e Podemos.

Em seu voto, o ministro defendeu a manutenção de norma do Tribunal Superior Eleitoral e argumentou que, se ela fosse anulada, daria um prazo indeterminado para que as legendas sanassem irregularidades em suas prestações de contas.

O magistrado julgou improcedente o pedido para anulação do artigo 36, parágrafo 11, da Resolução nº 23.604/2019 do TSE. Já em relação ao pedido referente ao artigo 28, IV, da Resolução 21.841/2004, o ministro julgou procedente, conferindo interpretação conforme "àquele dispositivo, no sentido de obstaculizar a punição de órgão partidário hierarquicamente superior em razão de repasse indevido de cotas do fundo partidário sem a devida comprovação de sua inequívoca ciência".

Segundo o ministro, é preciso fazer uma modulação em relação para que o pedido relativo à resolução alcance apenas processos não transitados em julgados para promover segurança jurídica a situações já consolidadas no âmbito da Justiça Eleitoral.

Clique aqui para ler o voto de Gilmar Mendes
ADI 6.395




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 22 de agosto de 2020, 11h07

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 30/08/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.