Consultor Jurídico

Comentários de leitores

6 comentários

absurdo

Roberta Patrícia (Advogado Assalariado)

minha filha trabalha como influencer. Divulga pratos de comida e recebe uma amostra. Quer dizer que se alguém tiver uma crise intestinal só pelo fato de ela ter degustado um prato, ela responderá?

Como acabar com um setor da economia

Kelvin de Medeiros (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Essa decisão literalmente torna o setor de marketing o mais arriscado do mundo. Quem iria, pela lógica desta decisão e em sã consciência, se prestar a divulgar produtos ou serviços de terceiros?

Outro ponto de vista

Gabriel Nagy (Outros)

Não há problema aumentar o risco na atividade, isso pressupõe maior responsabilidade aos influenciadores.
Na verdade a decisão fortalece o setor do marketing: qual seria o cenário se não houvesse credibilidade?

Tomando cuidado com as parcerias que faz.

Trajano Neves (Contabilista)

Influenciador: aquele que influencia de qualquer forma.
Se há uma parceria comercial entre aqueles envolvidos na cadeia de consumo, há responsabilidade civil objetiva.
Antes de contratar, melhor consultar um Advogado e contratar um seguro de responsabilidade civil.

Decisão alvissareira

Joao Sergio Leal Pereira (Procurador da República de 2ª. Instância)

Salutar a decisão noticiada, não só por deixar clara a responsabilidade civil dos influenciadores digitais quando indicam produtos e serviços de modo a impactar a vida de seus seguidores quanto por alertá-los do redobrado cuidado nessas indicações. Parabéns ao magistrado.

É procurador...

Mentor (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Veremos as investidas então do MP nos influenciadores políticos, religiosos etc. Já que opinião gera responsabilidade civil com ocorra falha na prestação dos serviço ou produto

Comentar

Comentários encerrados em 29/08/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.