Consultor Jurídico

Opinião

União, diálogo plural e debate de ideias são os principais escudos dos advogados

Retornar ao texto

Comentários de leitores

19 comentários

Debates

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

A grande maioria dos advogados é avessa à Democracia.
Preocupados com os interesses corporativos, ao os colocarem acima dos interesses coletivos, revelam o defeito da instituição, consistente no egoísmo cego e desenfreado.
Os advogados devem sair do mundo do "dever ser"
Espero que Santo Ivo ilumine os advogados para que enfrentem a hordas dos defensores da ignorância, da violência e da corrupção.
À plus.

Coleguismo

Luiz Felipe Cordeiro Cozzi (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

É com esse sentimento que parabenizo o colega pelo excelente artigo! Precisamos diuturnamente debater e alongar o estudo em proveito da classe, sobretudo no enfrentamento de questões que sustentam o nosso mister.

Excelente artigo

Nadielle Pereira (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Infelizmente, mesmo após as inúmeras conquistas obtidas na advocacia, ainda assim a classe enfrenta diversos óbices no exercício do ofício. Citemos como exemplo a gigante conquista dos honorários sucumbenciais na seara trabalhista, porém, objeto de muitos entraves e discussões acerca de sua constitucionalidade. São inúmeras as situações em que nos deparamos com a sua aplicação de forma totalmente arbitrária e indevida, o que nos leva a crer que a luta pela garantia das prerrogativas da nossa classe será eterna.
Não podemos nos esquecer que o pleno exercício desse ofício deve ser do interesse de toda sociedade, de modo que a busca pelo acesso à Justiça, se inicia a partir da defesa das prerrogativas do advogado.
Parabéns pelo excelente artigo.

O CPC é Claro

Priscila Silva Castilho (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

O CPC/2015 fixou de forma objetiva os parâmetros de fixação dos honorários advocatícios...
Não deixou espaço a interpretações elásticas, cujo resultado é a própria negação da norma jurídica.
Cabe aos Magistrados dar cumprimento às disposições legais, dando efetividade à legalidade e à segurança jurídica.

Subjetivismo na aplicação dos honorários advocatícios

Ariane Voltan (Advogado Autônomo - Civil)

Infelizmente ainda hoje a nossa classe, representada por seus membros em todos os cantos deste vasto país, precisa combater ferozmente a mitigação dos honorários advocatícios, que teimam em ser fixados em patamares mínimos, sem, muitas vezes, se levar em consideração a natureza alimentar e, muito menos, o tempo e o trabalho despendido pelo advogado naquela demanda. Logo, ainda que a CF tenha outorgado aos advogados a indispensabilidade para administração da justiça, o que se vê em diversas situações é que um absoluto subjetivismo no momento da fixação dos honorários, muito em razão da ausência de detalhes da legislação, de modo que o profissional fica a mercê da ponderação sobre a relevância do seu trabalho para fixação dos honorários, o que, por evidente, interfere na independência profissional do advogado.

Excesso de corporativismo

Leonardo Sales - Advogado Autônomo (Advogado Autônomo - Civil)

O excesso de corporativismo é sem dúvida um dos fatores que enfraquece a advocacia de forma geral. Ao se dedicarem a demandas que beneficiam apenas seus membros alguns setores da advocacia deixam de contribuir com a OAB na defesa de nossas prerrogativas. Não vimos, por exemplo, a advocacia pública lutar pela aprovação da lei de abuso de autoridade como lutou pela promulgação da lei 13.327/06. Como bem colocado pelo autor a garantia de nossas prerrogativas se dará apenas com o fortalecimento de todos os segmentos da advocacia.

Corporativismo em excesso prejudica a advocacia

Leonardo Sales - Advogado Autônomo (Advogado Autônomo - Civil)

O corporativismo em excesso é sem dúvida um dos principais fatores de enfraquecimento da advocacia. Ao se dedicarem a demandas que beneficiam exclusivamente seus membros alguns setores da advocacia enfraquecem a luta da OAB pela garantia de nossas prerrogativas. Não vimos, por exemplo, a advocacia pública lutar pela promulgação da lei de abuso de autoridade com o mesmo afinco que lutou pela aprovação da Lei 13.327/2016. Suas conquistas são, sem dúvidas, merecidas e compatíveis com a importância de suas funções , contudo, como bem colocado pelo autor, somente com o fortalecimento de todos os segmentos é que teremos uma advocacia verdadeiramente livre e protegida de violações.

Inspirador

Flaviane Liberal dos Santos (Advogado Assalariado - Trabalhista)

Parabéns pelo texto muito bem escrito, Doutor!
Se por um lado é uma lástima a constatação de que nem todos os advogados têm suas prerrogativas respeitadas, por outro lado é um grande prazer constatar que ainda existem muitos colegas, assim como o senhor, que lutam e difundem a ideia de que a advocacia em qualquer âmbito deve ser respeitada, para que não ocorram violações aos nossos direitos como advogados atuantes. Espero que seu brilhante texto inspire mais colegas a marcharem juntos pela preservação das garantias e prerrogativas da advocacia.

Honorários sucumbenciais na justiça do trabalho

Fernando Friolli Pinto (Advogado Sócio de Escritório - Trabalhista)

Realmente os honorários sucumbenciais é uma das mais importantes garantias da advocacia em geral, especialmente da advocacia privada. Tanto é verdade que a advocacia trabalhista comemorou a reforma trabalhista trazida pela Lei 13.467 de 13 de julho de 2017, onde em seu artigo 791-A, trouxe a previsão expressa de honorários de sucumbência, até então, semente garantido na Especializada aos Sindicados. Trata-se de mais uma grande vitória da advocacia. Excelente artigo...

Excelente artigo...

Fernando Friolli Pinto (Advogado Sócio de Escritório - Trabalhista)

Realmente os honorários sucumbenciais é uma das mais importantes garantias da advocacia em geral, especialmente da advocacia privada. Tanto é verdade que a advocacia trabalhista comemorou a reforma trazida pela Lei 13.467 de 13 de julho de 2017, onde em seu artigo 791-A, trouxe a previsão expressa de honorários de sucumbência, até então, semente garantido na Especializada aos Sindicatos. Trata-se de mais uma grande vitória da advocacia.

Advocatus in Jerimum Terrae

Immanuel Kant (Advogado Sócio de Escritório)

A vida do advogado privado não é mesmo fácil. Ninguém quer pertencer à nossa classe (ser farinha do mesmo saco), pois mesmo dentre os nossos pares, há aqueles que fazem questão de encontrar alguma distinção. São advogados privados que querem pertencer à uma casta diversa, agora, denominada "corporative" (como se houvesse razão suficiente para a especialidade). A classe dos advogados privados é a única em que existe um corporativismo reverso, isto é, em que parece que os seus membros prejudicam-se a si mesmos, e se veem com estranhamento. Se não começarmos a respeitar a nós mesmos e a nos apoiarmos, os outros operadores do direito continuarão a nos tratar como têm tratado. Nas palavras de um professor muito conhecido: " a advocacia virou exercício de humilhação diária e corrida de obstáculos."

Corporativismo em excesso

Leonardo Sales - Advogado Autônomo (Advogado Autônomo - Civil)

O corporativismo em excesso por parte de alguns setores da advocacia de fato dificulta a defesa das prerrogativas como colocado no texto, pois ao concentrarem seus esforços na obtenção de conquistas que prestigiam apenas a classe a qual está submetido esses segmentos enfraquecem a luta da advocacia como um todo e de certa forma "contribuem" para as constantes violações de nossas garantias. Não se viu, por exemplo, a advocacia pública lutar pela promulgação da Lei de Abuso de autoridade com o mesmo afinco que lutou para a aprovação da Lei 13.329/16. De fato, como colocado pelo autor somente com o fortalecimento de todos os segmentos é que teremos uma advocacia verdadeiramente forte e protegida de violações.

A bandeira da advocacia

Luiz Antunes (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Excelente artigo, parabéns. A luta pelos direitos da advocacia, em seus mais variados ramos, é uma bandeira constante a ser carregada.

Inspirador

Flaviane Liberal dos Santos (Advogado Assalariado - Trabalhista)

Parabéns pelo texto muito bem escrito, Doutor!
Se por um lado é uma lástima a constatação de que nem todos os advogados têm suas prerrogativas respeitadas, por outro lado é um grande prazer constatar que ainda existem muitos colegas, assim como o senhor, que lutam e difundem a ideia de que a advocacia em qualquer âmbito deve ser respeitada, para que não ocorram violações aos nossos direitos como advogados atuantes. Espero que seu brilhante texto inspire mais colegas a marcharem juntos pela preservação das garantias e prerrogativas da advocacia.

A bandeira da advocacia

Luiz Antunes (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Excelente artigo, parabéns. A luta pelos direitos da advocacia, em seus mais variados ramos, é uma bandeira constante a ser carregada.

Honorários, Legalidade e Igualdade

André Castilho - Advogado (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

A luta pelo reconhecimento à remuneração digna em sede de sucumbência é importantíssima, já que em muitos casos, essa será a principal remuneração do advogado. Além disso, os princípios da legalidade e da igualdade não autorizam interpretações equivocadas, na maioria das vezes, fundamentadas em vedação de enriquecimento sem causa, razoabilidade e proporcionalidade. O CPC/2015 positivou o direito à percepção de honorários de sucumbência de maneira clara, precisa, exaustiva...

Honorários Legalidade e Igualdade!

André Castilho - Advogado (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

A luta pelo reconhecimento à remuneração digna em sede de sucumbência é importantíssima, já que em muitos casos, essa será a principal remuneração do advogado. Além disso, os princípios da legalidade e da igualdade não autorizam interpretações equivocadas, na maioria das vezes, fundamentadas em vedação de enriquecimento sem causa, razoabilidade e proporcionalidade. O CPC/2015 não positivou o direito à percepção de honorários de sucumbência de maneira clara, precisa, exaustiva...

Retificando...

André Castilho - Advogado (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

O CPC/2015 "positivou" o direito à percepção de honorários de sucumbência de maneira clara, precisa, exaustiva...

Prerrogativas necessárias

Douglas França (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

De fato, muito bem observado, há diferenças abissais quando se fala em advocacia, que precisam ser sempre debatidas e realinhadas, pois independentemente de onde se exerça essa nossa função, sempre será a advocacia, e não se pode permitir distinções tão grandes.

Comentar

Comentários encerrados em 11/08/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.