Consultor Jurídico

Bloqueio teratológico

TRF-1 determina que bens do ex-presidente Temer sejam desbloqueados

Por 

Não basta que dados informativos decorrente de procedimento investigatório sinalizem a possível prática de um ilícito penal. É essencial que o órgão acusatório apresente indícios de que os bens foram adquiridos e pagos com produto do crime, tornando a sua origem ilegal.

TRF-1 determinou que bens do ex-presidente Temer sejam desbloqueados
Marcos Corrêa/PR

Com base nesse entendimento, a 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região determinou que os bens do ex-presidente Michel Temer sejam desbloqueados. A decisão foi tomada nesta terça-feira (28/4). 

Em abril de 2019, o juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal do Distrito Federal, acolheu pedido do Ministério Público e ordenou o sequestro de R$ 32 milhões das contas de Temer, de seu amigo pessoal João Baptista Lima Filho, o Coronel Lima, e de Carlos Alberto Costa, sócio de Lima. 

Segundo a denúncia, Temer teria editado um decreto (Decreto 9.048/17) para beneficiar empresas do setor portuário com quem mantinha relações desde 1990. O advogado Eduardo Carnelós desmontou materialmente a acusação.

Ao apreciar recurso, o desembargador Ney Bello, relator do caso no TRF-1, considerou que o bloqueio de bens deve ser examinado à luz dos artigos 125 e 126 do Código de Processo Penal.

Segundo o diploma, "caberá sequestros de bens imóveis, adquiridos pelo indiciado com os proventos da infração, ainda que tenham sido transferidos a terceiro"; e "para a decretação do sequestro, bastará a existência de indícios veementes da proveniência ilícita dos bens". 

Em decisão bem fundamentada Bello demonstrou que os requisitos não foram cumpridos. Além disso, "o deferimento da medida cautelar de sequestro demanda a presença cumulativa dos requisitos de fumus boni iuris e periculum in mora, o que não se verifica na situação descrita nos autos, tanto que a decisão se limitou a descrever quais documentos instruem a denúncia, sem dispor sobre a necessidade da medida no caso concreto", diz. 

Ainda segundo o magistrado, a decisão de 1º grau "encampou elementos lançados na decisão que recebeu a denúncia, o que implica em teratologia expressa, na medida em que se cuidam de provimentos judiciais com pressupostos distintos, data a natureza específica de cada um [...] A decisão hostilizada sequer fez alusão à necessidade da medida [bloqueio dos bens] e apenas disse que seria essencial para fazer frente a eventual reparação de danos pelo cometimento dos ilícitos penais em apuração e para satisfazer pena pecuniária".

A decisão não afeta um bloqueio de R$ 62 milhões imposto pelo juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, também em 2019. 

Clique aqui para ler a decisão
1009797-36.2019.4.01.3400




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 28 de abril de 2020, 19h25

Comentários de leitores

4 comentários

Teratologia dos valores!

321 (Advogado Autônomo - Civil)

Sem entrar no embate jurídico, chama a atenção as cifras bloqueadas pelos dois juízes!

Alguém entende?

Anônimo porque eu quero (Engenheiro)

É impressionante!!! O ex-presidente foi preso 1 ano e meio por ter COGITADO comprar um triplex furreca de 500 mil e com uma reforma de 1 milhão e meio da qual quando se invadiu apartamento vergonhosamente viu-se que era tudo uma farsa e que não tinha nada. O Outro tem 32 milhões DELEEEE bloqueados mas os causídicos do MPF fizeram uma denuncia tão verossímel que foi rejeitada e o dinheiro devolvido!!! A Sra já falecida, acusaram de ter 256 milhões quando depois se verifica serem de fato 26 mil reais, com extrato bancário! Os filhos são bilionários mas na Suíça não acharam nada e o neto morreu num hospital do SUS. ALGUÉM ENTENDE A LÓGICA DA LAVA JATO E DA REPÚBLICA DE CURITIBA? Já rasguei meu vade mecum faz tempo...

Movidos a espetáculo

olhovivo (Outros)

É isso que dá a justiça tupiniquim se deixar levar pelo espetáculo e pelos processos shows, no caso então incentivados pelo tal Janot (aquele chefe do mpf idolatrado pelos colegas e que queria matar e cometer suicídio) e pelos espertalhões da JBS, sem levar em conta a CF e a lei nas quais deveriam os juízes ter como único norte. Enquanto não houver juízes que não se deixam conduzir por pirotecnias do mpf, teremos eternamente que conviver com um judiciário de quinto mundo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/05/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.