Consultor Jurídico

Solução caseira

Jorge Oliveira deve ser indicado como novo ministro da Justiça

Alan Santos/PREntão secretário-geral da PR, Jorge Oliveira

*Atualização em 27/4: o presidente Jair Bolsonaro voltou atrás e acabou indicando André Mendonça para o Ministério da Justiça

Secretário-geral da Presidência da República, Jorge Oliveira deve ser o novo ministro da Justiça e Segurança Pública, segundo a CNN Brasil.

Oliveira é major da reserva da Polícia Militar do Distrito Federal, advogado, homem de confiança da família Bolsonaro.

Jorge Oliveira (à esq.) caminha em direção ao presidente do Supremo, Dias Toffoli
Anuário da Justiça - 21.nov.2019

No Congresso, foi assessor jurídico do então deputado federal Jair Bolsonaro e chefe de gabinete de Eduardo Bolsonaro.

Em 1º de janeiro de 2019, Oliveira assumiu a subchefia de Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência da República. Depois, em 21 de junho de 2019, foi nomeado ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República.

 Uma das preocupações estratégicas do novo ministro Justiça é a de aperfeiçoar as relações do governo com o Poder Judiciário. Esse objetivo foi manifestado em novembro do ano passado, quando o novo ministro participou do lançamento do Anuário da Justiça Federal, no Superior Tribunal de Justiça.

O ministro Jorge Oliveira (de costas) confraterniza com o ministro do STJ Herman Benjamin (à dir.), com o ministro Alexandre de Moraes, do STF, e o advogado-geral da União, André Mendonça (esq.)
Anuário da Justiça - 21.nov.2019

O delegado Alexandre Ramagem, atual diretor-geral da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), deve ser confirmado no comando da Polícia Federal.

A Secretaria-Geral da Presidência da República deve ser comandada pelo almirante Flávio Rocha, atual secretário de Assuntos Estratégicos.

Saída de Moro

Jorge Oliveira entre Felipe Santa Cruz, presidente nacional da OAB, e Humberto Martins, corregedor nacional de Justiça
Anuário da Justiça - 21.nov.2019

Na última sexta-feira (24), o ex-juiz da "lava jato" Sergio Moro anunciou que deixava o Ministério da Justiça e Segurança Pública. Durante a madrugada, o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, teve seu nome exonerado no Diário Oficial da União.

O presidente Jair Bolsonaro estava bastante irritado desde a última quinta-feira (23) por conta das investigações da PF, que tinham chegado ao nome do filho Carlos, vereador pelo Rio de Janeiro. O "zero dois" era apontado na investigação como sendo o comandante do gabinete do ódio contra membros do Supremo Tribunal Federal e do Congresso.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 26 de abril de 2020, 15h05

Comentários de leitores

1 comentário

Triste fim

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Triste fim de Policarpo Quaresma. Bolsonaro reforça, assim, as queixas de Moro, que sai fortalecido do debate.

Comentários encerrados em 04/05/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.