Consultor Jurídico

Período irrazoável

TJ-SP deve reintegrar magistrado posto em disponibilidade há 12 anos, decide CNJ

Por decisão unânime do Conselho Nacional de Justiça, o Tribunal de Justiça de São Paulo deve providenciar o reaproveitamento de um magistrado que foi colocado em disponibilidade há 12 anos. A questão, analisada pelo Plenário do CNJ, definiu o prazo de 15 dias para que a Corte atenda a decisão.

TJ-SPCNJ manda TJ-SP reintegrar magistrado posto em disponibilidade há 12 anos

Conforme voto da relatora, conselheira Flávia Pessoa, o magistrado Caramuru Afonso Francisco foi colocado em disponibilidade em 2008, por decisão do TJ-SP. Contudo, apesar dos pedidos do juiz para retornar ao trabalho, o tribunal decidiu mantê-lo em disponibilidade, por entender que seu reaproveitamento não atendia ao interesse público.

Segundo o entendimento do CNJ, enquanto pena, a disponibilidade significa inatividade remunerada com vencimentos proporcionais ao tempo de serviço, conforme prevê a Lei Ordinária da Magistratura Nacional.

A sanção disciplinar acarreta restrições, colocando o punido em inatividade com vencimentos proporcionais, mas o mantém vinculado à instituição com o dever de observar todas as vedações aplicáveis à carreira, como exercer outra atividade remunerada. O reaproveitamento, por sua vez, só pode ser pedido após dois anos de afastamento.

O relatório destacou que não cabe ao CNJ julgar o mérito da decisão tomada pelo TJ-SP, mas deve verificar a legalidade e regularidade jurídica dos atos. Segundo os relatos referentes ao caso do juiz Caramuru, ele foi submetido aos exames técnicos, jurídicos e médicos necessários, tendo sido considerado apto para retornar às atividades.

A avaliação técnica incluiu três fases: a sindicância de vida pregressa e investigação social; a de reavaliação da capacidade física, mental e psicológica; e a de reavaliação da capacidade técnica e jurídica composta por três provas - duas escritas e uma oral, com questões em forma de testes, dissertação de Direito Civil e Penal e questões dissertativas sobre diversas áreas do direito. Também foi realizada prova oral. Em todas as fases, o magistrado foi aprovado.

Os conselheiros seguiram a posição da relatora ao reforçar que não se pode manter a disponibilidade por período irrazoável. “No caso que ora se analisa, não se vê justificativa específica, objetiva e detalhada, tampouco motivo plausível, de ordem ética ou profissional, diverso dos fatos que ensejaram a pena, apto a justificar a permanência do magistrado Caramuru em disponibilidade”, alegou a relatora. Com informações da assessoria de imprensa do CNJ.

0005837-41.2015.2.00.0000

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 22 de abril de 2020, 19h02

Comentários de leitores

4 comentários

Juiz será reintegrado após 12 anos

Eugenio pedro bibiano timóteo dos santos (Advogado Autônomo)

O CNJ, determinou a reintegração do juiz Caramuru Afonso Francisco, foi colocado em disponibilidade, pelo Orgão Especial,após uma luta incansável,,insistir,e persistir,,sua ultima comarca foi birigui.sp.veio a vitória QUE DEUS o ilumine na função como sempre exerceu em birigui..eugenio pedro b.t.santos.oab.sp.araçatuba

Juiz deve ser reintegrado após 12 anos

FRomano (Outros - Administrativa)

Parabéns, meu amigo Dr. Caramuru, sempre acreditamos na vossa integridade, e carreira ilibada. O senhor Jesus honrou vossa fé.

Justiça feita!

FRomano (Outros - Administrativa)

Parabéns, meu amigo Dr. Caramuru, sempre acreditamos na vossa integridade, e carreira ilibada. O senhor Jesus honrou vossa fé.

Justiça tardia

Paulo Serafim (Oficial de Justiça)

Tive o prazer de trabalhar com o Dr. Caramuru. Pessoa íntegra. Foi afastado por supostas irregularidades, nunca provadas. A justiça, enfim, foi feita. Parabéns Dr. CARAMURU AFINSO FRANCISCO.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/04/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.