Consultor Jurídico

Direito ao trabalho

Partido vai ao Supremo contra MP que permite redução de salários

Por 

A Rede entrou com ação direta de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal questionando a MP 936 editada nesta quarta-feira (1/4) pelo presidente Jair Bolsonaro, que institui o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda e dispõe sobre medidas trabalhistas complementares para enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020.

Medida Provisória editada por Bolsonaro permite suspensão de contrato de trabalho  e corte de salários é questionada no STF
Reprodução

Na ADI, o partido lembra que essa é a segunda tentativa de o Presidente da República dispor de medidas trabalhistas para enfrentamento do estado de calamidade pública e cita a MP 927, que, após sofrer uma série de críticas, acabou tendo o artigo que permitia a suspensão dos contratos de trabalho revogado pelo próprio Bolsonaro.

A Rede sustenta que a MP 936 desrespeitou o artigo o 7º, VI e XIII da Constituição que trata como irredutíveis os salários e as jornadas de trabalho salvo quando acordado em convenção coletiva.

“A irredutibilidade salarial é garantia social intrinsecamente ligada à dignidade humana, ao valor social do trabalho (disposto no art. 170, caput, da CF) e ao mínimo existencial elencado no art. 6º do texto constitucional. A irredutibilidade salarial tem lugar apenas mediante negociação coletiva e para garantir a manutenção dos postos de trabalho, e não cabe em nenhuma outra hipótese”, diz trecho do documento.

O texto assinado pelos advogados Cássio dos Santos Araujo, Bruno Lunardi Gonçalves, Filipe Torre da Rosa e Kamila Rodrigues Rosenda ainda afirma que a MP 936 afronta ao princípio constitucional da proteção, que prevê proteção à parte de maior vulnerabilidade da relação de trabalho: o empregado.

“Caso prevaleça a norma editada pela medida provisória, trabalhadores coercitivamente, sob pena de ficarem desempregados, aceitarão flexibilizar seus direitos em troca da manutenção de suas ocupações, razão pela qual os acordos coletivos não podem ser dispensados”, argumenta a legenda.

A relatoria da ADI ficou a cargo do ministro Ricardo Lewandowski.

Clique aqui para ler a inicial na íntegra
ADI 6.363




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 2 de abril de 2020, 17h26

Comentários de leitores

4 comentários

Interferência entre poderes

Eliandro Rogério Afonso Christiano (Advogado Assalariado - Criminal)

Até quando veremos o legislativo atuar contra o executivo sem legitimidade sobre a finalidade, afinal o art. 503 da CLT é claro!! Nunca vi esse senador propor nenhuma alternativa indicando de onde vai sair verba para ir contra os projetos que ele desaprova.

Manchete incompleta

Valdecir Trindade (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Porque não explicitar na manchete o nome completo do Partido? Será porque é sempre o mesmo, e caso o nome fosse exposto de início a chamada perderia o elã? Coisa ridícula.

Possibilidade de redução salarial

Leandro Quaresma Godoy Freitas (Advogado Sócio de Escritório - Trabalhista)

Erra o partido em apresentar a presente ADI, isto, pois, a própria CLT dispõe em seu artigo 503, que é licita a redução salarial em caso de força maior ou prejuízos devidamente comprovados independente de valor limite. Ainda, existe a premissa, que há redução salarial na mesma proporção da jornada laboral.

Desta feita, não temos inconstitucionalidade na medida provisória apresentada pelo Nobre Presidente da República.

Redução pela CLT

Claudio J. Cirilo (Advogado Sócio de Escritório - Consumidor)

A redução pela CLT é de no máximo 25%.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/04/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.