Consultor Jurídico

Notícias

danos extrapatrimoniais

STF vai julgar regras da reforma trabalhista sobre indenização por dano moral

Por 

Estão pautadas para julgamento pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal, na próxima quinta-feira (3/10), quatro ações diretas de inconstitucionalidade em que se discute a constitucionalidade da limitação das indenizações por danos extrapatrimoniais, fixada pela reforma trabalhista.

Em algumas das ações, há o debate aspectos importantes, como o acordo firmado pela Vale com os familiares dos trabalhadores atingidos pela tragédia de Brumadinho (MG), em valores superiores aos padrões fixados atualmente na Consolidação das Leis Trabalhistas. 

As ações questionam dispositivos da CLT alterados em decorrência da reforma trabalhista e, posteriormente, pela edição da Medida Provisória (MP) 808/2017.

Os dispositivos questionados estabelecem limites para a fixação de valores da indenização por dano moral decorrente da relação de trabalho.

Segundo as ações, a lei não pode impor limitação ao Poder Judiciário para a fixação de indenização por dano moral, sob pena de limitar o próprio exercício da jurisdição. 

"Nos termos da nova legislação, o Poder Judiciário fica impedido de fixar uma indenização superior à efetivamente devida para reparar o dano causado ao trabalhador. A Lei 13.467/2017, em seu texto original, previa que a indenização decorrente de um mesmo dano moral teria valor diferente em razão do salário de cada ofendido, violando o princípio constitucional da isonomia. Isso porque a indenização decorrente de um mesmo dano moral a um servente ou ao diretor da mesma empresa não seria a mesma", dizem as ações. 

ADI 5.870
ADI 6.082
ADI 6.050
ADI 6.069

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 30 de setembro de 2019, 21h52

Comentários de leitores

1 comentário

O quanto vale

GFerreira (Advogado Assalariado - Trabalhista)

Primeiro, vamos a analise da reforma trabalhista que fixou limites as indenizações por dano moral em razão do contrato de trabalho.
O presidente que sancionou essa lei, esteve recentemente preso, solto por condições e requisitos que preencheu, mas chamou a constituição de livrinho. Segundo quanto a norma propriamente dita, se comparada a lei de abuso de autoridade, ambas são lastimas criadas pelo nosso legislador, que respeitosamente deveriam voltar para a escola, pensar um pouco no pais, e deixar de olhar para seus próprios interesses, resumindo, estou decepcionado com a politica brasileira. E estou certo que só vai piorar, o rico cada vez mais rico e o pobre cada vez mais pobre, e viva a república federativa do Brasil, comandada por esses indivíduos. lamentável!!!!!

Comentários encerrados em 08/10/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.