Consultor Jurídico

Notícias

Atuação inibida

AMB vai ao Supremo contra artigos da lei de abuso de autoridade

Por 

A Lei de Abuso de Autoridade atinge frontalmente a liberdade de julgar e rompe o pacto federativo. O entendimento é da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) ao pedir que o Supremo Tribunal Federal declare inconstitucional diversos artigos da Lei 13.869/2019.

"Nítido o propósito de amordaçar a magistratura brasileira, impedindo-a de julgar livremente, de acordo com as leis e a Constituição", avalia Jayme de Oliveira, presidente da AMB Guilherme Kardel / Kardel LIVE MEDIA

Segundo a AMB, os artigos questionados atingem a independência do Poder Judiciário, reduzindo sobremodo sua atuação, em especial no combate à corrupção, pois criminaliza a própria atividade de julgar.

"Já há notícia de decisões deixando de impor bloqueio judicial de valores ou revogando prisões cautelares, sob o fundamento de que há incerteza jurídica sobre o fato de estarem ou não praticando crime de abuso de autoridade", diz a associação.

O presidente Jair Bolsonaro havia vetado diversos artigos, entre eles vários à pedido da AMB. Porém, o Congresso derrubou os vetos. Segundo a associação, o objetivo é fragilizar a magistratura.

"O que se pode depreender é que a nova lei foi feita com um objetivo e endereço certo: visa a fragilizar a magistratura perante a advocacia e perante determinados segmentos da sociedade que respondem a processos de uma grandeza jamais vista ou imaginada. Ela é fruto de uma reação daqueles que não eram alcançados pelas leis penais, mas que passaram a ser, como é notório", diz a AMB na petição.

Assim, a associação pede liminarmente a suspensão e no mérito que seja declarada a inconstitucionalidade dos artigos 9º, parágrafo único, I, II, III, artigo 10, artigo 19, artigo 20, artigo 27 e seu parágrafo único, artigo 30, artigo 32, artigo 33, artigo 36, e artigo 43, da Lei 13.869/2019.

Clique aqui para ler a petição inicial.
ADI 6.236

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 29 de setembro de 2019, 20h57

Comentários de leitores

2 comentários

Jus esperniandi

LAFP (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

O STF nao vai nesta altura do campeonato travar guerra com o Congresso em razao de meia duzia de recalcitrantes. Alias estas decisoes isoladas e coordenadas alegando o oerigo da lei tem sentido sentimentalista. So quem nao compreende ou interpreta o texto acredita nisto...

Ladainha

Flávio Marques (Advogado Autônomo)

Chora ditadura da toga... agora é hora de vivenciar o que a nobre advocacia já vivencia a muito tempo: o RECEIO!!!!

Comentários encerrados em 07/10/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.