Consultor Jurídico

Notícias

Símbolo de ódio

Juiz municipal nos EUA renuncia após sugerir que "gente ruim" deveria ser enforcada

Por 

Um juiz municipal da pequena cidade de Altona, no estado de Nova York, renunciou ao cargo e prometeu nunca mais concorrer a eleições judiciais, depois de confrontado pela Comissão de Conduta Judicial. O juiz Kyle Canning postou no Facebook uma foto de um laço de forca, sugerindo que esse deveria ser o destino de gente ruim.

Na legenda da ilustração, o juiz escreveu: “Se queremos fazer a América grande de novo [parafraseando o slogan de campanha do presidente Donald Trump ‘Make America Great Again’], temos de fazer a gente ruim temer a punição de novo”.

O administrador da Comissão de Conduta Judicial do Estado de Nova York, Robert Tembeckjian, disse ao jornal Albany Times Union que a postagem do juiz (imagem e legenda) causou danos na confiança do público no Judiciário.

“O laço da forca é uma imagem incendiária, com conotações raciais repugnantes”, ele disse. “É a antítese da lei e da justiça. Um juiz que usa essa imagem para defender uma ideia política mina a integridade do Judiciário e a confiança do público”.

A imagem do laço da forca é um símbolo de ódio, extremamente ofensivo à raça negra nos EUA. Compara-se às lembranças e emoções que o símbolo da suástica nazista evoca para os judeus, segundo o site DL, que se dedica a combater crimes de ódio.

As origens da imagem do laço da forca estão conectadas, historicamente, aos tempos de linchamentos (ou enforcamentos) de pessoas negras nos EUA, depois da Guerra Civil. Foi a época em que acabou a escravidão, mas ela foi substituída no sul do país pela violência ou ameaça de violência contra os negros, para afirmar a supremacia branca. O símbolo sempre foi associado à Ku Klux Klan.

O juiz disse ao The New York Times que não sabia disso. E, por isso, não considerou as conotações raciais quando postou a imagem do laço da forca no Facebook. Teve a intenção apenas de mostrar seu apoio à pena de morte.

“A postagem não era para ser racista, porque eu não sou racista. É uma imagem a favor da pena de morte. Não precisaria ser o laço da forca. Poderia ter sido uma câmara de gás ou uma cadeira elétrica”, ele declarou.

Se foi uma gafe, essa não foi a única. Ao mencionar o slogan de Trump “Make America Great Again”, pensou-se que ele estava engajado em uma campanha eleitoral a favor do presidente, em pleno exercício do cargo de juiz.

Mas ele negou. Disse ao New York Times que, na verdade, é democrata, e que a referência a tal slogan não teve a intenção de mostrar apoio político ao presidente. “Não há um homem que eu poderia desprezar mais do que Donald Trump”, ele disse.

Juiz municipal nos EUA
Canning não durou muito no cargo de juiz municipal. Foi eleito em fevereiro de 2018 e renunciou em setembro de 2019 – “coagido” a renunciar, segundo ele.

No estado de Nova York, um juiz municipal (chamado de town justice) preside julgamentos de casos essencialmente de jurisdição municipal. Ele pode julgar casos de infração de trânsito e irregularidades de veículos, disputas entre locadores e locatários, pequenas causas civis, contravenções penais ou ilícitos de pequena monta.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 22 de setembro de 2019, 9h02

Comentários de leitores

4 comentários

Professor Edson - O ponto.

Guilherme de Oliveira de Barros (Advogado Associado a Escritório - Internacional)

Prezado Professor, o ponto da nota e da renúncia não é o *método* das execuções, mas a alusão histórica aos linchamentos praticados nos EUA no século passado.

E o "injeção letal pode" é questionável. 21 estados aboliram a pena de morte. Outros tantos possuem em seus estatutos, mas aplicaram uma moratória para impedir sua aplicação (oito estados, seja por ordem do governados, como no caso do Oregon, seja por ordem do Advogado Geral do Estado, no caso do Arizona, ou mesmo por resistência dos médicos, como ocorreu na Carolina do Norte).

Professor? de quê?

Mazein (Advogado Autônomo - Tributária)

Sempre fico com essa dúvida ao ler os comentários...

Instrumento inadequado

Advogado José Walterler (Advogado Autônomo - Administrativa)

O MM Juiz americano, no meu sentir, foi infeliz apenas na escolha do instrumento para a consumação do ato. No mais, está corretíssimo. Ou você crer que quem mata crianças para vender seus órgãos, mata mulheres com seus filhos covardemente; queima pessoas vivas; invade escolas e outros logradouros públicos para disparar fuzis automáticos; organiza atentados terroristas como o de 11 de setembro; vende crack e outras drogas letais para crianças, estupra indefesos, entre outras anomalias, MERECE VIVER? Aqueles que defendem essas DESGRAÇAS são os primeiros a procurarem comprar ARMAS para "matar" quem os ofendeu. Puira hipocrisia.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/09/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.