Consultor Jurídico

Notícias

Palavra final

Na Colômbia, presidente do STF destaca papel moderador da corte brasileira

Durante o 25º Encontro Anual de Presidentes e Magistrados de Tribunais, Cortes e Salas Constitucionais da América Latina, em Cartagena, na Colômbia, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, participou do painel “O papel em mutação do juiz constitucional nos últimos 25 anos - Entre o legalismo e ativismo”, nesta sexta-feira (20/9).

Carlos Moura/STF

Ao lado dos presidentes das Cortes Constitucionais de Peru, Equador, Colômbia e do vice-presidente do Tribunal Constitucional da Alemanha, Dias Toffoli lembrou do papel de “última trincheira” que o STF assumiu nos momentos delicados e complexos que o Brasil passou nos últimos anos.

“O Supremo Tribunal foi constantemente chamado pela sociedade para dar sua palavra final, de maneira a assegurar que os conflitos institucionais e sociais fossem resolvidos em um marco de absoluta legalidade constitucional”, apontou.

O ministro ressaltou aos participantes que o magistrado constitucional deve decidir com prudência entre os momentos em que deve atuar e aqueles em que deve deixar que as demais instituições atuem, tendo como prioridade a harmonia entre os Poderes e a segurança jurídica.

“Qualquer que seja o caminho a seguir pelos juízes constitucionalistas neste mundo em transformação, esse caminho tem que passar por um respeito aos olhos da Constituição que não se pode negociar”, disse.

O ministro destacou, ainda, a defesa dos direitos fundamentais assegurados pelo STF, “em especial os direitos das minorias e o exercício das liberdades públicas, como as de expressão e consciência”.

“Nosso guia tem sido a Constituição de 1988, para a qual devemos a solidez da nossa democracia. Nossa missão mais importante é protegê-la”, concluiu.

Liberdade de expressão
Neste sábado (21/9), o presidente do Supremo participará de sessão reservada aos ministros, com estudos de caso e apresentação de sentenças relevantes de tribunais constitucionais da região em matéria de liberdade de imprensa e de expressão.

Toffoli abordará a decisão do Supremo que suspendeu a apreensão de livros de temática homossexual durante a Bienal do Livro no Rio de Janeiro, no início de setembro. Com informações da assessoria de imprensa do Supremo Tribunal Federal.

Revista Consultor Jurídico, 20 de setembro de 2019, 21h29

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 28/09/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.